A prática como componente curricular: o que isso significa na prática?

Giselle Cristina Martins Real

Resumo


O texto apresenta reflexões a partir da relação entre teoria e prática, traduzida na experiência na construção de currículos voltados para a formação de professores. Busca-se responder ao problema: o que significa a prática como componente curricular apresentada nas diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, explicitada sob a forma de norma jurídico-legal? Foram adotados: pesquisa documental e estudos bibliográficos, tendo como referencial teórico-metodológico o policy cycle. Pode-se observar que a regulação da educação superior, traduzida nos processos avaliativos para fins de autorização e de reconhecimento de cursos, contribuiu para a implementação da reforma na formação de professores, que, entre outros fatores, estabeleceu a prática como componente curricular obrigatório. Esse processo engendrou concepções distintas na construção dos currículos, gerando dúvidas aos gestores educacionais. A prática, conforme prevista no arcabouço normativo, indica sua diluição, ao longo do curso, entre as disciplinas de caráter propositivo, estabelecendo uma relação dialética entre teoria e prática. Conclui-se que a resposta buscada pelos gestores educacionais vai ser encontrada na interação entre instituições formadoras e instituições de educação básica, de forma a construir de fato uma marca para cada instituição, prescrita em cada projeto pedagógico.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. A avaliação educacional: regulação e emancipação. São

Paulo: Cortez, 2000.

AZEVEDO, J. M. L. A educação como política pública. Campinas: Autores

Associados, 1997.

CNE. Resolução CNE-CP nº 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: CNE, 2002. Disp. em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf Acesso em: 12 set. 2008.

CNE. Parecer CNE-CP nº 09, de 08 de maio de 2001. Institui Diretrizes

Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena Brasília: CNE, 2001a. Disp. em: http://www.abmes.org.br/_Download/Associados/Legislacao/2001/Parecer/Par_CP_09_080501.htm Acesso em 14 set. 2008.

CNE. Parecer CNE-CP nº 28, de 02 de outubro de 2001. Dá nova redação

ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: CNE, 2001b. Disp. em: http://www.abmes.org.br/_Download/Associados/Legislacao/2001/Parecer/Par_CP_28_080501.htm Acesso em: 14 set. 2008.

CNE. Resolução CNE-CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002.Institui diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: CNE, 2002. Disp. em: http://www.cmconsultoria.com.br/legislacao/resolucoes/2002/res_2002_0001_CP_retificacao_formacao_professores.pdf Acesso em: 12 set. 2008.

DUARTE, N. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do

professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). Educação e

Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, p. 601 – 625, ago. 2003.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário básico da língua portuguesa. Rio de

Janeiro: Lexicon, 2003.

MEC. Referenciais para formação de professores. Brasília: Ministério da

Educação/Secretaria de Educação Fundamental (MEC/SEF), 1999.

PALUMBO, D. A abordagem de política pública para o desenvolvimento

político na América. In: MEC. Política de capacitação dos profissionais da

educação. Belo Horizonte: MEC/FNDE/Instituto de Recursos Humanos

João Pinheiro, 1989. p. 35 – 61.

PERRENOUD, P. As dez novas competências para ensinar. Porto Alegre:

ArtMed, 2000.

PERRENOUD, P. Pedagogia Diferenciada – das intenções à ação. Porto

Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In:

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (orgs.). Professor reflexivo no Brasil:

gênese e críticas do conceito. São Paulo: Cortez, 2002, p. 17 – 52.

SACRISTÀN. J. G.. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto

Alegre: ArtMed, 1998.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: ARTMED,

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA,

Antônio (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 77 – 92.

TARDIF, M.. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos

universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: Campinas, n. 13, p.5 - 24, jan/fev/mar/abr. 2000.

WEBER, S. Notas sobre o CNE e a qualidade do ensino superior. Educ.

Soc., Campinas, v. 23, n. 80, p. 91 – 96, set. 2002.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.