A “valorização do magistério” como uma das dimensões do trabalho do dirigente municipal de educação (DME): uma análise da proposta formativa do Pradime/MEC

Fabricio Aarão Freire Carvalho

Resumo


Este artigo teve por objetivo analisar a proposta formativa do PRADIME/MEC, visando identificar o papel atribuído ao Dirigente Municipal de Educação (DME) na garantia do direito à educação e identificar quais os principais desafios a serem enfrentados pelo DME para a valorização dos profissionais do magistério, como um dos insumos necessários para a garantia dos padrões mínimos de qualidade da educação. Para tanto, foi realizada uma breve revisão bibliográfica acerca do processo de (des)valorização do magistério no Brasil, do arcabouço legal que trata da valorização docente, bem como a análise da proposta formativa do PRADIME/MEC. Como resultado da pesquisa, pode-se constatar que apesar de, a “valorização do magistério” ser apresentada como um dos principais componentes do trabalho de gestão pedagógica do DME, com a orientação de ações voltadas para a formação e condições de trabalho dos professores, outros importantes elementos de valorização, não foram explorados, tais como: da necessidade de realização periódica de concurso público de provas e títulos para ingresso na carreira; definição de um número máximo de alunos por turma que garanta um processo de ensino-aprendizagem de qualidade e orientação sobre a definição de uma política de financiamento que garanta mais recursos para a educação e consequentemente para a valorização dos profissionais do magistério.

Palavras-chave


Política de valorização do magistério. Educação à distância. PRADIME/MEC.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, M. A. da S. Verbos intransitivos para uma política pública:

formar, valorizar, profissionalizar IN: Retratos da Escola/ Escola de

Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

(ESFORCE) – V. 2, n 2/3, jan./dez. 2008 – Brasília: CNTE, 2007.

BRASIL, Constituição Federal de 1988 (atualizada até a EC 19/98). 2ª ed.

São Paulo: Oliveira Mendes, 1998.

BRASIL. CONAE: Construindo o Sistema Nacional Articulado: O Plano

Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação. Documento Final.

Brasília: MEC/INEP, 2010.

BRASIL. Decreto nº 6.094, DE 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a

implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias e da comunidade, DF, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 14, de 12 de setembro de 1996.

Modifica os art. 34, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e dá nova

redação ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 set. 1996.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá

nova redação aos art. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 2006.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 19, de 04 de junho de 1998. Modifica o regime e dispõe sobre princípios e normas da Administração Pública,

servidores e agentes políticos, controle de despesas e finanças públicas e

custeio de atividades a cargo do Distrito Federal, e dá outras providências.

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional

de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília,

DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de

Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos

Profissionais da Educação – FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das

Disposições Constitucionais Transitórias; altera a

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as

Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília,

DF, 23 dez. 1996a.

BRASIL. Lei n. 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo

de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de

Valorização do Magistério – FUNDEF. Diário Oficial da União, Brasília,

DF, 26 dez. 1996b.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Plano decenal de Educação

para Todos. Brasília, 1994.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 8, de 05 de maio de 2010. Estabelece

normas para aplicação do inciso IX do artigo 4º da Lei nº 9.394/96 (LDB),

que trata dos padrões mínimos de qualidade de ensino para a Educação

Básica pública, 2010.

BRASIL. Projeto de Lei nº 619, de 2 de abril de 2007. Regulamenta o art.

, inciso III, alínea “e”, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os

profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da

União, Brasília, DF, 2007.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 3, de 8 de outubro de 1997. Fixa

diretrizes para os novos planos de carreira e de remuneração para o

magistério dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Diário Oficial

da União, Brasília, DF, 13 out. 1997.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 28 de maio de 2009. Fixa as

Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos

Profissionais do Magistério da Educação Básica Pública, em conformidade

com o artigo 6º da Lei Nº 11.738, de 16 de julho de 2008, e com base nos artigos 206 e 211 da Constituição Federal, nos artigos 8º, § 1º, e 67 da Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e no artigo 40 da Lei Nº 11.494, de 20 de junho de 2007.

COSTA. M. C. V. Trabalho Docente e profissionalismo: uma análise sobre

gênero, classe e profissionalismo de professoras e professores de classes

populares. – Porto Alegre: Sulina, 1995.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. 2ª ed. – São Paulo: Editora da

Universidade de São Paulo, 2006.

FRIGOTTO, G. A produtividade da Escola improdutiva: um (re)exame das

relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São

Paulo: Cortez, Autores Associados, 1989.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do Capitalismo Real. 3 ed. – São Paulo:

Cortez, 1999.

MONLEVADE, J. e FERREIRA, E. Educação Pública no Brasil: contos e

descontos. – Brasília – DF: Idea Editora, 2001.

MONLEVADE, J. Valorização salarial dos professores: o papel do piso

salarial profissional nacional como instrumento de valorização dos

professores de Educação Básica Pública / João Antônio Cabral de

Monlevade. – Campinas, SP: [s.n.], 2000.

PARO, V. H.. Administração escolar: Introdução crítica. – São Paulo:

Cortez, 2005.

____________. Educação Como exercício do poder: crítica ao senso

comum em educação.- São Paulo: Cortez, 2008.

____________. Escritos sobre educação. - São Paulo: Xamã, 2001.

PRADIME/MEC. Programa de Apoio aos Dirigentes Municipais de

Educação. Curso de Extensão à Distância (Módulos I a VI), Brasília/DF:

MEC/SEB, 2011.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.