A institucionalização da escola primária na Primeira República

Daniela Cristina Lopes de Abreu

Resumo


Este trabalho discute a implementação dos grupos escolares no Estado de São Paulo no início do período republicano. É sabido que com a proclamação da República, os governantes sentiram o acréscimo de responsabilidade advindo do novo regime e procuraram reformar o ensino apagando as lembranças do império. Neste sentido, era necessário criar estabelecimentos de ensino capazes de abrigar os alunos em idade escolar. A educação popular era vista como primordial, e por isso intelectuais e políticos a priorizavam como objeto de reforma fundamental para a organização da sociedade. Saber ler, escrever, contar e votar compreendia o programa dos republicanos, além de valorizar a pátria e os símbolos nacionais, respeitando as ordens da moral e do civismo. Desse modo, a escola republicana é para a República, ou seja, para legitimar seu poder. No estado de São Paulo, a criação dos grupos escolares significou a esperança de progresso e de desenvolvimento do estado e do país na perspectiva do novo regime. A construção de prédios grandiosos era uma das tentativas utilizadas pelo poder republicano de marcar o início de uma nova era. A visibilidade dos prédios conquistava com maior facilidade a população, ou seja, as construções exuberantes faziam como que a população acreditasse no regime, resultando em maior credibilidade à nova ordem.

Palavras-chave


República. Escola primária. Nacionalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, B. Comunidades imaginárias. São Paulo: Cia. das Letras,

AZEVEDO, F. A educação pública em São Paulo – inquérito para o Estado

de São Paulo em 1926. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1937.

BEISEIGEL, C. R. Estado e Educação Popular: um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Pioneira, 1974.

BOTO, C. A escola primária como tema do debate às vésperas da República. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, vol. 19, n. 38, p. 253-282, 1999.

BUFFA, E. Arquitetura Escolar. São Paulo: Brasília: EdUFSCar, INEP,

CARVALHO, C. P. O difícil acesso à escola pública. Tese (Doutorado) –

FE/UNICAMP, Campinas, 1988.

ESCOLANO, A. La arquitetura como programa. Espacio - Escuela y Curriculum. In: História de la Educación - Revista interuniversitaria. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca. nº12-13, enero-diciembre, p. 97-120,1993-4.

ESCOLANO, A. Tiempo y Educación. Notas para una genealogia del almanaque escolar. In: História de la Educación - Revista de Educación, nº 298, 1992, p. 55-79.

FARIA FILHO, L. M. de. Dos pardieiros aos palácios: cultura escolar e urbana em Belo Horizonte na Primeira República, Passo Fundo: UPF, 2000.

SOUZA, R. F. de. Alicerces da Pátria: história da escola primária no Estado de São Paulo (1890-1976). Campinas: Mercado das Letras, 2009.

SOUZA, R. F. de. O direito à educação: lutas populares pelas escolas em

Campinas. Campinas: Editora Unicamp: Área de Publicações CMU/

Unicamp, 1998.

VALDEMARIN, V. T. O liberalismo demiurgo. Estudo sobre a reforma

educacional projetada nos pareceres de Rui Barbosa. São Paulo: Cultura

Acadêmica, 2000.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.