O preparo profissional e a escolarização da pessoa com deficiência intelectual

Alexandra Ayach Anache

Resumo


Este trabalho resulta de um conjunto de reflexões produzidas durante as nossas experiências com a formação de professores na área de Educação, incluindo as pesquisas em Educação Especial. Elas nos motivaram a dar voz às professoras que atuavam no ensino comum que afirmaram não terem tido experiências com os alunos que apresentam deficiência intelectual.  Interessávamos saber o que elas estavam considerando como necessário para ensinarem os alunos com a referida característica. Para esse fim, a entrevista semi-estruturada se mostrou mais indicada para possibilitar a o contato mais direto com 06 sujeitos eleitos para esta pesquisa. As entrevistas foram realizadas em 2 escolas de Ensino municipal de Campo Grande, MS, considerando a disponibilidade de cada professora. O conteúdo dos relatos foi analisado com base na perspectiva histórico cultural. Esta pesquisa revelou que o preparo profissional das professoras foi entendido por elas como sendo um conjunto de saberes necessários para promover a aprendizagem dos alunos com deficiência intelectual, assumindo para si a exclusividade dessa responsabilidade, assim como preconizaram os dispositivos legais brasileiros. Além disso, os relatos das professoras apontaram para a dicotomia entre o saber e o fazer, cabendo-lhes a execução das orientações realizadas pelos professores especializados, pois a estes últimos foram atribuídas competências para identificar as deficiências e planificar as intervenções, na perspectiva de que as necessidades educacionais especiais requerem atendimento individual.

Palavras-chave


preparo profissional; formação de professores; deficiência intelectual

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Editora Mestre Jou,

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. D.S.M.- IV-TM - R.

Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais. (D. Batista,

trad.). Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. (Trabalho original publicado em

.

ANACHE, A. A; MITJÁNS MARTÍNEZ, A. Deficiência intelectual e produção

científica na base de dados da CAPES: o lugar da aprendizagem. In:

Revista Brasileira de Psicologia Escolar/Educacional. Campinas, SP, 1 (1),

, p. 253-277.

ANDRE, M.; SIMOES, R.H.S.; CARVALHO, J. M. and BRZEZINSKI, I.

Estado da arte da formação de professores no Brasil. Educ. Soc. [online].

, vol.20, n.68, pp. 301-309. ISSN 0101-7330. doi: 10.1590/S0101-73301999000300015.

BANCO MUNDIAL. Departamento de Educación y Politicas Sociales.

Prioridades y estrategias para la educación. Estudio Sectorial del Banco

Mundial. Washington, 1995.

BRASIL, Ministério da Educação. Decreto N°. 6.571 de 17 de setembro de

Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 9394, de 23 de dezembro de 1996. Lei que fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional Brasileira. 1996. Brasília.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Disponível em: http://freire.mec.gov.br/index/principal. Acesso em: 16 de maio de 2009.

BRASIL. Plano Nacional de educação. Lei nº 10.172, de 09/01/2001.

Brasília. DF. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2b.pdf. Acesso em 28 set. 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação

Especial. 1994. Livro 1. Brasília: MEC/SEEP, 66p.

CHACON, M. C. M. Formação de Recursos Humanos em Educação

Especial: Resposta das Universidades à Recomendação da Portaria

Ministerial nº 1.793 de 27.12.1994. 2001. Tese de Doutorado pela

Universidade Estadual Paulista - UNESP, campus de Marília.

GARCIA, R. M. C (2007). O Conceito de Flexibilidade curricular nas

políticas públicas de inclusão educacional. In: MEYRELLES, D. de J.,

BAPTISTA, C. R., BARRETO, M. A. S. C. e VICTOR, S. L. (orgs)

Inclusão práticas pedagógicas e trajetórias de pesquisa. Porto Alegre:

Editora Mediação, 2007, p. 11-20.

GONZÁLEZ REY, Pesquisa Qualitativa e subjetividade. São Paulo:

Thomson Learnig. 2005.

MARTINS, J. de S. Exclusão Social e a nova desigualdade. São Paulo, SP:

Paulus. 1997.

MICHELS, M.H. Gestão, formação docente e inclusão: eixos da reforma

educacional brasileira que atribuem contornos à organização escolar. Rev.

Bras. Educ. [online]. 2006, vol.11, n.33 ISSN 1413-2478.

ROLDÃO, M.C. A formação de professores como objecto de pesquisa -

contributos para a construção do campo de estudo a partir de pesquisas

portuguesas. Lisboa/Pt, 2006 (mimeo.).

SÁCRISTÁN, J. G. e GÓMEZ, A. I. P. Compreender e Transformar o

Ensino. Porto Alegre: Artmed. 1998.

TARDIF, M. LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma

teoria da docência como profissão e interações humanas. Petrópolis: Vozes. 2005.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.