Espacios cotidianos y subjetividad: el caso de la cocina

Axel Manuel Navarro Hernández, María Luz Márquez Barradas

Resumo


A família é o organismo social responsável por expressar o início e o fim da civilidade, como é a organizção legitimada para assegurar os espaços privados, íntimos e secretos e assegurar que cada família tem, além das normas compartilhadas que regem o grupo para relacionamentos futuros. A esse respeito, Norbert Elias propõe um mecanismo, através do qual se obtem a ação civilizatória que tem a ver diretamente com um dispositivo de auto-regulação pelo qual os seres humanos são capazes de responder não só a situações específicas, mas também as expectativas daqueles que constituem o grupo social, neste caso a família. Este artigo é um exercício exploratório para tentar explicar a sobreposição entre a civilidade nos espaços todos os dias, especialmente a cozinha usando quatro variáveis: potência, o tipo de família, comida, e os de dentro e os de fora. O principal autor para a discussão sobre o processo civilizatório foi Norbert Elias.

Palavras-chave


Alimentação; Civilidade; Família

Texto completo:

PDF

Referências


LÉVI-STRAUSS, C. Mitológicas i. Lo crudo y lo cocido. México: FCE,

Norbert, E. El proceso de la Civilización. Investigaciones sociogenéticas y

psicogenéticas. [2ª Edición] México: Fondo de Cultura Económica, 1989.

Norbert, E. The Established and the Outsiders. Dublin, Iceland: University College Dublin Press, 2008.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.