A Era Vargas em Mato Grosso: o jornal “A CRUZ” e a representação do ideal de educação

Regiane Cristina Custódio

Resumo


Este artigo é um exercício de observação do modo como, por meio do Jornal A CRUZ, um periódico da Liga Social Catholica Brazileira de Matto-Grosso (de ampla circulação em Cuiabá, capital do estado) se disseminava o ideal de educação em Mato Grosso, bem como no Brasil, em sua totalidade. No contexto de ocupação da Amazônia e Centro-Oeste, através da “marcha para o Oeste” (1938), fala-se aqui, para além das transformações físicas da arquitetura das obras oficiais de Cuiabá, sobre uma expressiva representação de educação com o propósito de produzir um cidadão moderno e civilizado para viver em uma sociedade que deveria superar o atraso e avançar em direção aos padrões da modernidade que se instaurava naquele período. No contexto de ocupação da Amazônia e Centro-Oeste do Brasil, a cidade passou a desempenhar uma função educativa no processo de modernidade que se manifestava no estilo de vida urbano, ou seja, “são nas cidades que se promove o aprendizado para a civilidade e sociabilidade” conforme assinalou Buzato (2013, p. 1). E ao aprender a viver para a sociabilidade o cidadão se habilitava também, à convivência urbana.

Palavras-chave


Era Vargas. Educação. Jornal A CRUZ. Mato Grosso. Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


BUZATO, Gino Francisco. As transformações urbanas em Cuiabá-MT na gestão de Júlio Strübing Müller e a formação do cidadão cuiabano para a modernidade (1937-1945). Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe7/pdf/10-

%20PATRIMONIOEDUCATIVO%20E%20CULTURA%20MATERIAL%20ESCOLAR/AS%20TRANSFORMACOES%20URBANAS%20EM%20CUIABA-MT.pdf.. Acesso em: 19 nov. 2017.

CANAVARROS, Otávio. Leitura na imprensa cuiabana: o caso de A CRUZ (1910-1940). Seminário nº. 5 sobre mídia e leitura. Disponível em: http://alb.org.br/arquivomorto/edicoes_anteriores/anais16/sem05pdf/sm05ss16_05.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.

CASSIANO, Luiz de Carcalho. Marcha para o Oeste: um itinerário para o Estado Novo (1937-1945). 2002. Dissertação (Mestrado em História). Universidade de Brasília, 2002.

CASTRO, Sueli; BARROZO, João Carlos; COVEZZI, Marinete; PRETI, Oreste. a colonização oficial em Mato Grosso: a nata e a borra da sociedade. Cuiabá: EdUFMT, 2002.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1990.

GOMES, Eslânia Fernandes. Construções Sociais do Moderno no Nordeste Brasileiro. Anais Eletrônicos do II Congresso Nacional do Cangaço e III Semana Regional de História do CFP/UFCG, 2011.

NAHES, Semiramis. Revista FON-FON: a imagem da mulher no Estado Novo (1937-1945) São Paulo: Arte & Ciência, 2007.

ROJAS, Carlos Antonio Aguirre. Uma história dos Annales (1921-2001). Tradução de Jurandir Malerba. Maringá: Eduem, 2004.

SIMILI, Ivana Guilherme. A construção de uma personagem: a trajetória da primeira-dama Darcy Vargas (1930-1945). Disponível em:

http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/I/Ivana_Guilherme_Simili_42.pdf. Acesso em: 18 nov. 2017.

ZIMMERMANN, Tânia; CARLOS, Ana Carolina Oliveira. Relações e representações de gênero no jornal A CRUZ (1910-1915), de Mato Grosso. Ciências & Letras, Porto Alegre, n. 54, p. 41-63, jul./dez. 2013. Disponível em: http://seer3.fapa.com.br/index.php/arquivos/article/viewFile/190/177. Acesso em: 20 nov. 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/eduf.v8i24.10255

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.