O trabalho docente na rede pública estadual mineira em face dos discursos sobre as tecnologias educacionais

Adelino Francklin

Resumo


Este artigo visa analisar a discrepância entre os discursos salvacionistas em favor do uso das tecnologias na Educação e o trabalho docente na Rede Pública Estadual de Minas Gerais (REE/MG). Justifica-se pelo aumento do número de discursos da Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais (SEE/MG), em entre os anos de 2003 a 2014, em favor do uso das tecnologias na Educação como necessidade para elevar a qualidade no ensino. Destarte, a SEE/MG adquiriu computadores, lousas digitais para as escolas da REE/MG e tablets educacionais para os professores que atuavam na mesma rede de ensino. Foram aplicados questionários e realizadas entrevistas semiestruturadas com cinco professores secundários de diferentes disciplinas que atuavam na REE/MG. A abordagem da pesquisa foi qualitativa. As análises apontam que houve ausência de formação continuada para o uso das tecnologias pelos professores da REE/MG; obstáculos para o uso das tecnologias na educação na REE/MG e que a SEE/MG adotou uma visão instrumentalista sobre as tecnologias na educação no contexto estudado.

Palavras-chave


Rede Estadual Mineira. Tecnologias. Trabalho Docente.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus, 2011. 93 p.

ARRUDA, H. P. de B. (2012). Planejamento de aula e o uso de Tecnologias de Informação e Comunicação: percepção de docentes do Ensino Médio. 2012. 256 f. Tese (Doutorado em Educação)- Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2012.

BALL, S. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, pp. 99-116, jul./dez. 2001. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf Acesso em: 18 jul. 2017.

BARBOSA, A. F. TIC Educação 2014: Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação nas escolas brasileiras. Livro eletrônico. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2015. Disponível em:

http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_Educacao_2014_livro_eletronico.pdf Acesso em: 18 jul. 2017.

BRASIL. Projeto de Lei. Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020. Congresso Nacional, Brasília, 2010. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7116-pl-pne-2011-2020&Itemid=30192 Acesso em: 19 jul. 2017.

BRASIL. Construindo o Sistema Nacional Articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, diretrizes e estratégias; Documento Final. CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CONAE), Brasília: MEC, 2010. Disponível em: http://conae.mec.gov.br/images/stories/pdf/pdf/documetos/documento_final_sl.pdf Acesso em: 193 jul. 2017.

BRZEZINSKI, I.. Trabalho Docente, Tecnologias e Educação. Trabalho e Educação. MG: Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 35-53, jan./abr. 2008. Disponível em: http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/trabedu/article/viewFile/298/281 Acesso em: 18 de jul. 2017.

CASTELLS, M.. A sociedade em rede: a era da informação economia, sociedade e cultura. Tradução de Roneide Venâncio Majer e Klauss Brandini Gerhardt. 8. ed., v. 1, São Paulo: Paz e Terra, 2005. 698 p.

CIMADEVILA, M. P. R.; ZUCHETTI, D. T.; BASSANI, P. B. S. O “Novo” Profissional da Rede Estadual do Rio Grande do Sul e as Tecnologias na Educação.Educação Temática Digital, Campinas, SP, v.15, n.1, p. 67-86, jan./abr., 2013. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/article/view/3065/3848 Acesso em: 18 jul. 2017.

CYSNEIROS, P. G. Fenomenologia das Novas Tecnologias na Educação. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, Bahia, n. 7, p. 88-107, 2003. Disponível em:http://www.portalseer.ufba.br/index.php/entreideias/article/view/2792/1970 Acesso em: 18 jul. 2017.

FARIAS, L. C.; DIAS, R. E. Discursos sobre o uso das TIC na educação em documentos ibero-americanos. Revista Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 27, p. 83-104, jul.-dez, 2013.

FISCARELLI, R. B. O..A construção do saber sobre a utilização de objetos no ensino brasileiro.2009. 171 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar)-Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2009.

FRANCKLIN, A. Implicações do uso das tecnologias no trabalho docente: percepções de professores secundários da rede estadual mineira. 2016. 136 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão

Preto, 2016.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8ª ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2012. 141p.

___________. Das salas de aulas aos ambientes virtuais de aprendizagem. Anais do Congresso Associação Brasileira de Educação à Distância. Brasília, 2005, p. 71-80. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/030tcc5.pdf Acesso em: 18 jul. 2017.

___________. Tecnologias e Tempo Docente. Campinas, SP: Papirus, 2013. 171 p.

LÉVY, P.. As tecnologias da inteligência – o futuro do pensamento na era da informação. 13. ed. Tradução de Carlos Irineu Costa. São Paulo: Editora 34, 2010. 208 p.

________. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999. 270 p.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição de políticas educacionais. Educação & Sociedade.v. 27, n. 94, jan./abr., p. 47-69, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n94/a03v27n94.pdf Acesso em: 18 jul. 2017.

MARINHO, C.. O uso das tecnologias digitais na Educação e as implicações para o trabalho docente. 2005. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação)-Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

Mídia Mineira. Secretaria de Educação anuncia investimentos em equipamentos de informática para modernizar as escolas mineiras. Minas Gerais: Cataguases, 01-ago., 2013. Disponível em: http://www.midiamineira.com/2013/08/secretaria-de-educacaoanuncia.html Acesso em: 18 jul. 2017

MORAN, J.; MASETTO, M. T.,BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 13ª Ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2007.

OEI. Metas Educativas 2021: a educação que queremos para a geração dos Bicentenários. Documento Final-Síntese. Brasília: OEI, 2012. 111 p. Disponível em: http://oei.org.br/pdf/metas_sintese.pdf>. Acesso em: 18 ju. 2017.

SANTOS, N. F. A. IDEB e tecnologias educacionais: algumas reflexões. 36ª Reunião, Goiânia-Go, 2013. Anais da 36ª Reunião Nacional da ANPEd, Goiânia-Go, set./out., 2013.

SILVA, M. Internet na escola e inclusão. In. ALMEIDA, M. E. B.; MORAN, J. M..Integração das Tecnologias na Educação: Salto para o Futuro. Brasília: SEED-MEC, 2005.

SILVA, C. T. A.; GARÍGLIO, J. Â.. A formação continuada de professores para o uso das tecnologias da informação e da comunicação (TIC): o caso do projeto Escolas em Rede, da Rede Estadual de Educação de Minas Gerais. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, Paraná, v. 10, n. 31, p. 481-503, set./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/viewFile/2380/2296. Acesso em: 18 jul. 2017.

SILVEIRA, D. R.. Entre as propostas das políticas educacionais e o uso das novas tecnologias: uma análise do programa Acessa Escola. 2015. 120 f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar)-Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto, 2015.

UNESCO. O Futuro da Aprendizagem Móvel: Implicações para Planejadores e Gestores de Políticas. Brasília: UNESCO, 2014. 64 p.

________. Padrões de Competência em TIC para Professores. Marco Político. Paris: UNESCO, 2009. 13 p.

VERASZTO, E. V. et al.. Tecnologia: buscando uma definição para o conceito. Revista Prisma.com, n.7, p. 60-85, dez., 2008. Disponível em:

http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/view/681/pdf Acesso em 18 jul. 2017.




DOI: https://doi.org/10.30612/eadtde.v5i7.6637

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.