Literatura modernista e literatura periférica: engajamentos intelectuais de representação e autorrepresentação

Cleber José de Oliveira

Resumo


A Literatura Periférica (conhecida também como Vira-lata ou Marginal) é uma manifestação quase que exclusivamente produzida por escritores oriundos de periferias urbanas dos grandes centros. Partindo desse pressuposto, o presente trabalho busca descortinar como se manifestam às relações de representação e autorrepresentação nessa forma de narrativa em paralelo aos moldes utilizados pelos modernistas. Entende-se aqui que essa nova manifestação literária colide com a chamada Tradição Modernista, onde autores como Graciliano Ramos, Clarice Lispector, João Cabral, Guimarães Rosa, entre outros, pertencentes a classes sociais altamente letradas produziram uma literatura que tomou para si a função de representar as classes marginalizadas sobretudo o nordestino, o sertanejo e o negro favelado). Com o espraiamento dessa tradição, a função que desempenhava seus intelectuais (o de representante das classes subalternas) fica vaga. Isso é o norteador da hipótese principal aqui levantada, a saber: essa função, que por muito tempo foi desempenhada pelos intelectuais modernista, e, agora, reivindicada e tomada por indivíduos oriundos das margens sociais (o intelectual periférico), porém com diferentes intenções.

Palavras-chave


Discurso literário. Contemporaneidade. Intelectual periférico. Representação. Autorrepresentação.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da língua. 10 ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

________________. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 49 ed. São Paulo: Cultrix 2013.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. São Paulo; Rio de Janeiro: FAPESP: Ouro sobre Azul, 2009.

________________. A Revolução de 1930 e a Cultura. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela Noite e Outros Ensaios. São Paulo: Ática, 2006.

_________________. Ficção e confissão: Ensaios sobre Graciliano Ramos. 3 ed. Rio de Janeiro: FAPESP: Ouro sobre Azul, 2006.

__________________.Literatura e sociedade. 8 ed. São Paulo: T. A. Queiroz; Publifolha, 2000.

__________________. Presença da Literatura Brasileira: história e antologia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

DALCASTAGNE, Regina. “Uma voz ao sol: representação e legitimidade na

narrativa brasileira contemporânea”. Estudos de Literatura Brasileira

Contemporânea. Brasília, julho/agosto de 2002, pp. 33-87.

_____________________. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo. Ed. Horizonte, 2012.

FERRÉZ: Cronista de um tempo ruim. São Paulo: Literatura Marginal, 2009.

________. Literatura marginal. São Paulo: Agir, 2005.

________. Ninguém é Inocente em São Paulo. Objetiva, 2006.

SARLO, Beatriz. Cenas da vida pós-moderna. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

_________________. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na pós-modernidade. 2° ed. Rio de Janeiro:DP&A, 1998.

CURY, Zilda Ferreira; WALTY, Ivete Lara Camargos.Intelectuais e vida pública: migrações e mediações/ Maria Zilda Ferreira Cury, Ivete Lara Camargos Walty - org. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2008.

SAID, Edward W. Representações do intelectual: as conferências Reith de 1993. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Minas Gerais: EditoraUFMG, 2010.




DOI: https://doi.org/10.30612/arredia.v6i10.6121



Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.