A Analítica Bermaniana na Tradução do Humor dos Coveiros de Hamlet

Tiago Marques Luiz

Resumo


 

 

Resumo: Muito pouco se tem publicado a respeito de produções acadêmicas destinadas ao estudo da tradução do humor; os estudos voltados para o humor estão ligados aos mecanismos lingüísticos – ou seja, algum aspecto da linguagem (como fonética, sintaxe, estilística) – de produção do humor. Da mesma forma que os estudos da tradução se consolidaram recentemente, o mesmo pode ser dito a respeito do estudo de tradução de humor. A tradução do humor está sujeita um conhecimento significativo do tradutor do assunto e da sua própria época, já que em determinado momento, faz-se necessário que o tradutor, por meio da sua imaginação e perspicácia, recrie determinadas passagens em função do entendimento contemporâneo do objeto cômico. O presente trabalho pretende analisar a conservação do humor em uma breve passagem da cena dos coveiros da peça A Tragédia de Hamlet: Príncipe da Dinamarca, de William Shakespeare, traduzida por Millôr Fernandes em 2011 e Carlos Alberto Nunes em 2011. A edição usada como original é a Oxford Shakespeare e a base teórica para este estudo se debruça nas tendências deformativas de Antoine Berman.


Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.