Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Rio Mulato, estado do Piauí, Brasil

Karoline Veloso Ribeiro, Emanuel Lindemberg Silva Albuquerque

Resumo


Os estudos geomorfológicos revestem-se de grande importância às pesquisas ambientais, pois fornecem informações relevantes quanto à sua gênese e evolução. Dessa forma, este estudo objetiva realizar uma compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Rio Mulato, situada na porção centro-norte do estado do Piauí, Brasil. Como base metodológica, utilizou-se a proposta de Ross (1992), por apoiar-se na fisionomia das formas, que tem por base sua gênese e idade. A compartimentação teve como critérios fatores causais de natureza estrutural, litológica, pedológica, climática e morfodinâmica, além da análise da drenagem, para tornar a interpretação exequível e com alto grau de confiabilidade. A compartimentação geomorfológica mapeada foi estruturada em quatro níveis taxonômicos, considerando os Domínios Morfoestruturais, os Domínios Morfoesculturais, as Unidades de Relevo e as Formas de Relevo Locais. A análise geomorfológica surge como uma ferramenta importante na compreensão geoespacial, inclusive, na perspectiva de fornecer subsídios ao gerenciamento do ambiente.

Palavras-chave


Cartografia geomorfológica. Bacia sedimentar. Planejamento ambiental.

Texto completo:

PDF 105418-RA2019.1526.0003

Referências


AB’SABER, A. N. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Estudos avançados, São Paulo, p. 3-21, 1999.

ALBUQUERQUE, E. L. S.; MEDEIROS, C. N.; SOUZA, M. J. N. Geoinformação na abordagem de problemas socioambientais: aplicação do IDG no município de Horizonte, estado do Ceará. Revista Equador (UFPI), v. 4, nº. 2, p. 128-144, 2015.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. PROJETO RADAMBRASIL. Levantamento de recursos naturais, v. 2, Folha SB-23 Teresina e Folha 24 Jaguaribe, Rio de Janeiro, 1973.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Geomorfologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. 2010. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 19 jan. 2018.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Mapa geológico do Estado do Piauí: 2ª versão. Piauí: CPRM, 2006.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Revista de Geomorfologia, Campinas, v.18, n.9, p. 35-64, 1969.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 1980.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3 ed. Brasília, DF: Embrapa, 2013.

HUGGETT, R. J. Fundamentals of Geomorphology. 2.ed. 2 Park Square, Milton Park, Abingdon, Oxon, OX14 4RN: Routledge, 2007.

LIMA, I. M. M. F. Relevo piauiense: uma proposta de classificação. Carta Cepro. Teresina, v.2, n. 2, 55 – 84 p, ago./dez. 1987.

LIMA, I. M. M. F. Morfodinâmica e meio ambiente na porção centro-norte do Piauí, Brasil. 309 f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

LUPINACCI, C. M.; MENDES, I. A.; SANCHEZ, M. S. A cartografia do relevo: uma análise comparativa de técnicas de gestão ambiental. Revista Brasileira de Geomorfologia, ano 4, n 1, p 1-9, UGB, 2003.

PENTEADO-ORELHANA, M. M. Metodologia integrada no estudo do meio ambiente. Geografia, Rio Claro, v. 10, n. 20, p. 125-148, 1985.

PEREIRA NETO, M. C. Fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Seridó (RN/PB – Brasil). Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. São Paulo: Contexto, 1990.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, nº. 6, USP, 1992.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia da USP, n. 8, p. 63-74, São Paulo, USP, 1994.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia Aplicada aos EIAs-RIMAs. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: BERTRAND Brasil, 2003. p. 291-336.

SANTOS, J. O. Fragilidade e riscos socioambientais em Fortaleza – CE: contribuições ao ordenamento territorial. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SCHOBBENHAUS, C.; NEVES, B. B. B. A geologia do Brasil no contexto da Plataforma Sul-Americana. In: BIZZI, L. A.; SCHOBBENHAUS, C.; VIDOTTI, R. M (org.). Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil. Brasilia: CPRM, 2003. p. 5-30.

SOUZA, J. C. O. Identificação de geossistemas e sua aplicação no estudo ambiental da bacia hidrográfica do rio São Miguel – Alagoas. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

SOUZA, M. J. N. Bases naturais e esboço do zoneamento geoambiental do estado do Ceará. In: CRUZ, L. C.; SOUZA, M.J.N.; MORAIS, J. O. (Orgs.) Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: Ed. FUNECE, 2000. p. 13-98.

STRAHLER, A. N. Hypsometric (area-altitude) – analysis of erosion al topography. Geological Society of America Bulletin, v.63, n.10, p.1117-1142, 1952.

TRENTIN, R.; SANTOS, L. J. C.; ROBAINA, L. E. S. Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Rio Itu – oeste do Rio Grande do Sul – Brasil. Sociedade & Natureza. Uberlândia, n. 1, p. 127-142, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.