GRANDE DEMAIS PARA QUEBRAR? UMA NOTA GEOECONÔMICA SOBRE A DESINDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA

Cristovão Henrique Ribeiro da Silva

Resumo


Este artigo é parte de uma discussão sobre a desindustrialização brasileira já realizada há alguns anos no campo das ciências econômicas, e, por outro lado, ainda prematuro na geografia econômica ou na geoeconomia. A supervalorização dos preços das commodities durante a primeira década do século XXI deu impulso para o desenvolvimento econômico e produtivo brasileiro. Entretanto, após a crise econômica de 2008 nos EUA, e seus efeitos no tabuleiro econômico global fez com que houvesse um arrefecimento dos índices de preços no mercado dos produtos que o Brasil tradicionalmente exporta, sobretudo a partir de 2011, o que fundamenta, em parte, os baixos resultados da economia brasileira na segunda metade da década de 2010. É um contexto geoeconômico e geopolítico conturbado das duas primeiras décadas do século para o Brasil, cuja desindustrialização é uma característica pouco debatida no campo geoeconômico. Compreendê-la a partir deste ponto de vista nos ajuda a tematizar o efeito das políticas econômicas nos territórios e, evidentemente no desenvolvimento regional do país, sobretudo, em tempos de crise.


Palavras-chave


Geografia Econômica; Geoeconomia; Desindustrialização

Texto completo:

PDF_1528-001

Referências


BACHA, E.; BOLLE, M. B., O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. (Org.) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

BERNARDES, L. M. C. Regiões Geoeconômicas. In IPE/SUDEC (ed.). Diagnóstico Socioeconômico do Ceará. One, Fortaleza: IPE/SUDEC, 1964. P.109-114.

BLAS, J. (2012): Supercycle runs out of steam—for now. In: Financial Times. 3p.

BLACK, C. (2014): O superciclo dos preços das commodities desacelerou ou está diante do fim? In: Carta de conjuntura, ano 23, nº4, 2p. https://goo.gl/d9ZrnG

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado. 1988.

______. (2017): Ministério das Relações Exteriores, http://www.itamaraty.gov.br/

[. Acessado em 09/02/2017].

BRESSER-PEREIRA, L. CO Novo Desenvolvimentismo. 2004a. new developmentalism compared with the old one and with conventional orthodoxy. (Article: Folha de S. Paulo) (Folha, 19.09.04)

_______. O Brasil e o novo desenvolvimentismo (Interesse Nacional). Interesse Nacional, v. 4, p. 76-85, 2011.

CARVALHO, L. Valsa brasileira: Do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia. 2018

CORRÊA DA SILVA, A. De quem é o pedaço? Espaço e Cultura. São Paulo: Hucitec, 1986.

CORONEL, D. A. Impactos da política de desenvolvimento produtivo na economia brasileira. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) Universidade Federal de Viçosa, 121p. 2010.

COWEN, D.; SMITH, N. After Geopolitics? From the Geopolitical Social to Geoeconomics. In: Antipode Vol. 41 No.1, 2009.

DOBBS, R.; OPPENHEIM, J.; THOMPSON, F.; MARRELS, S.; NYQUIST S. SANGHVI, S. (September 2013): Resource Revolution: Tracking global commodity markets. MGI: Washington: DC.

DE TONI, Jackson. Novos arranjos institucionais na política industrial do governo LULA: A força das novas ideias e dos empreendedores políticos. Tese (Doutorado em Ciência Política). UnB – Universidade de Brasília: Brasília: 2013.390 f.

EGLER, C. A. G. As Américas: singularidades de um continente plural. In: M. P. Oliveira; M. C. N. Coelho; A. M. Corrêa (Eds.); O Brasil, a América Latina e o Mundo: espacialidades contemporâneas. v. I, p.142 – 167. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008a.

______. O Rio de Janeiro e as Mudanças Globais: uma visão geoeconômica. In: Gusmão, Paulo P.; Carmo, Paula S.; Vianna, Sergio Besserman. (Org.). Rio próximos 100 anos. O aquecimento global e a cidade. 1ed.Rio de Janeiro: Instituto Pereira Passos, 2008b, v. 1, p. 43-54.

_______. As vias abertas para a América do Sul. In: A. M. M. Bicalho; P. C. D. C. Gomes (Eds.); Questões metodológicas e novas temáticas na pesquisa geográfica. p.45– 70. Rio de Janeiro: PUBLIT, 2009a.

_______. Crise e Integração regional na América do Sul. In: F. Mendonça; C. L. Lowen-Sahr; M. Silva (Eds.); Espaço e tempo. Complexidade e desafios do pensar e do fazer geográfico. p.661–673. Curitiba, PR: ADEMADAN, 2009b.

_______. Apontamentos sobre Rede Urbana e Políticas Públicas no Brasil. In: W. Soares; R. Matos (Eds.); Desigualdades, redes e espacialidades emergentes no Brasil. p.91–114. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2010.

FMI, Fundo Monetário Internacional. Balanço global 2012. [. Acessado em 09/02/2017.

FMI, Global financial stability report a report by the monetary and capital markets department on market developments and issues, FMI, 2015. 200p.

GEIGER, Pedro P. Organização Regional do Brasil. In: Revista Geográfica, v. 33 (61), 1964 p. 25-58.

HOBSBAWN, E. Industry and empire. London: Penguim Books, 1999.

IBGE, Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura 2015. In: IBGE. Sidra sistema IBGE de recuperação automática. Rio de Janeiro, [2016]. Disponível em/Available from: . Acesso em: jan. 2017/Cited: jan. 2017.

_____. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física Brasil 2014-2016. 2017a

_____. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física Brasil 2013-2016. 2017b

_____. Anuário estatístico do Brasil 2016. Rio de Janeiro: IBGE, v. 75, 2017c.

Instituto Aço Brasil, Departamento de Economia, 2016.

KRUGMAN, P. Geography and Trade. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1993. 142p.

_______. Development, Geography and the Economic Theory. Cambridge, Mass.: The M.I.T. Press, 1995, 117 p.

_______. OBSTFELD, M. Economia internacional: teoria e política. 5ª ed. São Paulo: Editora Pearson Education do Brasil, 2010.

LAZZARINI, S. C.; JANK, M. S.; INOUE, C. F. K. Commodities no Brasil: maldição ou benção In: Bacha, E.; Bolle, M. B., O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. (Org.) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

LAMOSO, Lisandra Pereira. Indústria, desindustrialização e território. In: Boletim Campineiro de Geografia, v. 3, p. 408-429, 2013.

MCKINSEY GLOBAL INSTITUTE. Resource Revolution: Meeting the world’s energy, materials, food, and water needs. McKinsey Global Institute and the McKinsey Sustainability & Resource Productivity Practice, 2014, 224p.

PECEQUILO, C. S. A América do Sul como espaço geopolítico e geoeconômico: o Brasil, os Estados Unidos e a China. In: Carta Internacional (USP), v. 8, p. 100-115, 2013.

REDIKER, D. Challenge Three: State capitalism 2.0. In: WEF, World Economic Forum, Seven Geo-economics Challenges to globalization. Coligny/Geneva Switzerland. 2015. 16p. Acesso em 15/05/2018. Disponível em: https://goo.gl/gQhSJq

RIBEIRO SILVA, C. H. Política Industrial Brasileira e a Industrialização de Mato Grosso do Sul no Século XXI. Tese (Doutorado em Geografia) UFGD – Universidade Federal da Grande Dourados. 2016a 278p.

______. Reflexões sobre a geoeconomia da montanha russa dos preços das commodities. Mundorama - Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais, v. 1, p. 1-5. 2016b [acessado em 09/02/2017]. Disponível em: https://goo.gl/CdDjtX

______. Os desafios da era geoeconômica para américa latina. In: Contribuciones A Las Ciencias Sociales, v. 05, p. 01-11, 2017a.

______. Geoeconomics approaches about Mato Grosso do Sul/Brazil. In: RIBEIRO SILVA; C. H.; (Org.) O despertar regional (vol.2): diálogos sobre geografia (s) e desenvolvimento regional de mato grosso do sul. 1. ed. Saarbrücken: NEA - Novas Edições Acadêmicas, 2017b. v. 2, p. 69-78.

SILVA, E. A RIBEIRO SILVA, C. H. Brasil em números – Indústria In:(Brazil in figures - Industry). Brasil em números (edição em inglês. Impresso). v.25, p.256 - 276, 2017.

SORKIN, A. R. Too big to fail: The inside Story of How Wall Street and Washington Fought to Save the Financial System - and Themselves. Penguin Books USA. 2009

SMITH, Neil. Desenvolvimento desigual: natureza, capital e a produção de espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1988.

TAYLOR, Peter J Political Geography. World-Economy, Nation-State and Locality. London: Longmans. 1985.

WEF, World Economic Forum, Seven Geo-economics Challenges to globalization. Coligny/Geneva Switzerland. 2015. 16p. Acesso em 15/05/2018. Disponível em: https://goo.gl/gQhSJq




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2019.1528.0001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.