PARQUE NACIONAL DA SERRA DA CANASTRA: ASPECTOS FÍSICOS E SOCIOECONÔMICOS

Cassiano Gustavo Messias, Marcos César Ferreira

Resumo


O Parque Nacional da Serra da Canastra (PNSC) está localizado a Sudoeste de Minas Gerais, Brasil. Situada no domínio morfoclimático do Cerrado, esta Unidade de Conservação foi criada, em 1972, com o intuito de conservar as belezas cênicas da região, a diversidade de fauna e flora, e as nascentes dos rios São Francisco e Araguari. Este artigo tem como objetivo realizar a caracterização física e socioeconômica do PNSC e sua zona de amortecimento.Os resultados trazem uma síntese e discussão de material bibliográfico e cartográfico preexistentes, abordando aspectos geológicos, pedológicos, geomorfológicos, climáticos, hidrográficos e vegetacionais. Foi gerado o mapa de uso do solo do ano de 2018, a partir de técnicas de classificação orientada a objetos e imagens do satélite Landsat 8, sensor OLI. As caracterizações econômica e populacional foram fundamentadas em mapas temáticos, gráficos e tabelas, que foram gerados através de dados obtidos por pesquisas realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Palavras-chave


Serra da Canastra; Unidades de Conservação; Caracterização Física; Caracterização econômica; Caracterização populacional

Texto completo:

PDF_1527-0003

Referências


AB'SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas – 7ª ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2012. 158 p.

BARBOSA, C. Territórios de vida e trabalho dos pequenos produtores de queijo da Serra da Canastra: um estudo sobre a relação entre a produção camponesa e espaços naturais protegidos nas nascentes do Rio São Francisco, Minas Gerais. 2007. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia,Uberlândia, 2007.

BASTOS, L. A.; FERREIRA, I. M. Composições fitofisionômicas do bioma cerrado: estudo sobre o subsistema de vereda. Espaço em Revista, v. 12, n. 1, p. 97 – 108, 2010.

BENITEZ. Províncias diamantíferas de Minas Gerais: uma proposta para a caracterização de populações de diamantes típicas como subsídio à certificação Kimberley. 2009. Tese (Doutorado em Geologia). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

BIZERRIL, M.; SOARES, C. C.; SANTOS, J. P. Um lugar chamado Canastra. Atibaia: Instituto Pró-Carnívoros, 2008. 81 p.

BIZZI, L. A.; SCHOBBENHAUS, C.; VIDOTTI, R. M.; GONÇALVES, J. H. (eds.). Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil: texto, mapas e SIG. Brasília: CPRM, Brasília, 2003.

BRASIL. Decreto n° 70.355, de 3 de abril de 1972. Cria o Parque Nacional da Serra da Canastra, no Estado de Minas Gerais, com os limites que especifica, e dá outras providências. Publicado no D.O.U. de 4 de abril de 1972.

CBHSF. Resumo executivo do Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do rio São Francisco 2016-2025. Alagoas: CBHSF, 2016.

CBH ARAGUARI. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2017.

CBH GRANDE. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2017.

CBH PARANAÍBA. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2017.

CHAVES, M. L. S. C.; ANDRADE, K. W.; BENITEZ, L.; BRANDÃO, P. R. G. Província diamentífera da Serra da Canastra e o Kimberlito Canastra-1: Primeira fonte primária de diamantes economicamente viável do país. Geociências, v. 27, n. 3, p 229-317, 2008.

CHAVES, M. L. S. C.; BENITEZ, L.; ANDRADE, K. W. Cachoeira Casca d’Anta, São Roque de Minas: Berço do velho Chico, rio da Integração Nacional. In.: WINGE, M; SCHOBBENHAUS, C.; SOUZA, C. R. G.; FERNANDES, A. C. S.; BERBERT-BORN, M. QUEIROZ, E. T. (Edit.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília: CPRM, 2009.

CONGALTON, R.G.; GREEN, K. Assessing the accuracy of remotely sensed data: principles and practices. Boca Raton: CRC Press, 1999.

CONTI, J. B.; FURLAN, S. A. Geoecologia: o clima, os solos e a biota.In.: ROSS, J. L. S. (org.) Geografia do Brasil – 6ª ed. São Paulo: Edusp, 2011.

COUTINHO, L. M. O bioma do cerrado. In.: KLEIN, A. L. (Org.). Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois. São Paulo: UNESP, p. 77–92, 2002.

COUTO JUNIOR, A. F.; SOUZA, V. V.; CARVALHO JUNIOR, O. A.; MARTINS, E. S.; SANTANA, O. A.; FREITAS, L. F.; GOMES, R. A. T. Integração de parâmetros morfométricos e imagem ASTER para a delimitação das fitofisionomias da Serra da Canastra, Parque Nacional da Serra da Canastra – MG. Revista Brasileira de Geomofologia, v. 11, n. 1, p. 57-68, 2010.

CPRM. Downloads. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.

CUNHA, S. B. Bacias hidrográficas. In.: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (orgs.). Geomorfologia do Brasil – 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2012.

FERREIRA, G. H. C. O Parque Nacional da Serra da Canastra – MG: algumas propostas, conflitos e incertezas territoriais. Revista Cerrados, v. 13, n. 1, p. 111-139, 2015.

GARÓFALO, D. F. T.; MESSIAS, C. G.; LIESENBERG, V.; BOLFE, E. L.; FERREIRA, M. C. Análise comparativa de classificadores digitais em imagens do Landsat‑8 aplicados ao mapeamento temático. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.50, n.7, p.593-604, 2015.

HAMEDIANFAR, A.; SHAFARI, H. Z. M. Development of fuzzy rule-based parameters for urban object-oriented classification using very high resolution imagery. Geocarto International, v. 29, n. 3, 268–292 2014

IBGE. Manual técnico de Geomorfologia – 2ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

IBGE. Censo demográfico 2010: Grade Estatística. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2016.

IBGE. IBGE cidades. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2017.

INCRA. Classificação dos imóveis rurais. Disponível em: . Acesso em: 7 out. 2017.

IPEA. Aproveitamento atual e potencial dos Cerrados – Vol. 1: base física e potencial da região.Brasília: IPEA, 1973.

MELLES, C.; CUNHA, O. LARA, M. C. THADEU, G. GUERRA, R. Projeto de Lei n° 1448 de 28 de junho de 2007. Altera os limites do Parque Nacional da Serra da Canastra, que passa a compor o mosaico de unidades de conservação da Serra da Canastra, nos termos do art. 26 da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília, 2007.

MELLES, C.; THADEU, G.; LARA, M. C.; CUNHA, O.; GUERRA, R. Projeto de Lei nº 6.905 de 2010. Cria o Monumento Natural do Rio Samburá, que passa a compor o mosaico de unidades de conservação da Serra da Canastra, nos termos do art. 26 da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília, 2010.

MENEZES, M. D.; MESSIAS, C. G.; SILVA, S. H. G.; CURI, N. Relações entre ambientes de solos e fitofisionomias. In.: CARVALHO, D. A. Cerrados do Sul e Sudoeste de Minas Gerais: flora e ambiente. Lavras: Editora UFLA, 2017.

MESSIAS, C. G. Mapeamento das Áreas Suscetíveis à Fragilidade Ambiental na Alta Bacia do Rio São Francisco, Parque Nacional da Serra da Canastra – MG. 2014. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

MMA; IBAMA. Plano de Manejo: Parque Nacional da Serra da Canastra. Brasília: MMA, 2005.

MMA; IBAMA; PREFOGO; PNSC. Plano de prevenção aos incêndios florestais: Parque Nacional da Serra da Canastra. São Roque de Minas: PNSC, 2005.

MMA; ICMBIO; PNSC. O parque Nacional da Serra da Canastra: breves considerações históricas, logísticas e gerenciais. Processo 02070.000978/2018-19 / SEI 2668224. São Roque de Minas: SEI, 2018.

NOVAIS, G. T. Caracterização climática da mesorregião do Triângulo Mineiro / Alto Paranaíba e da Serra da Canastra (MG). 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

OTUKEI, J. R.; BLASCHKE, T. Land cover change assessment using decision trees, support vector machines and maximum likelihood classification algorithms. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, v. 125, p. 527–531, 2010.

PIRES, F. R. M. Arcabouço geológico. In.: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (orgs). Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2012.

RADAMBRASIL. Levantamento de recursos naturais: folhas SF 24-25 – Rio de Janeiro de Vitória, v. 32. Rio de Janeiro: Divisão de publicação, 1983. 775 p.

RIBEIRO, J. F.; SANO, S. M.; MACÊDO, J.; SILVA, J. A. Os principais tipos de fitofisionomias da região do cerrado: Boletim de pesquisa n. 1. Planaltina: Embrapa, 1983.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In.: SANO, S. M.. ALMEIDA, S. P. (eds.). Cerrado: ambiente e flora. Brasília: Embrapa Cerrados, 1998.

ROSS, J.L.S. Relevo Brasileiro: Uma nova proposta de classificação. Revista do Departamento e Geografia, n. 4, 1985.

SAINT-HILAIRE. Viagem às nascentes do Rio S. Francisco e pela província de Goyas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

SANTANA, A. S.; GERALDINE, C.; IMAÑA-ENCINAS, J. Contribuição da vegetação rasteira na evapotranspiração total em diferentes ecossistemas do bioma Cerrado, Distrito Federal. Ciência Florestal, v. 20, n. 2, p. 269-281, 2010

SCARLATO, F. C. População e urbanização brasileira. In.: ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2011.

SIDRA. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.

TANNUS, J. L. S.; ASSIS, M. A. Composição de espécies vasculares de campo sujo e campo úmido em área de cerrado, Itirapina – SP, Brasil. Revista Brasil. Bot., V.27, n.3, p.489-506, 2004.

UFV; CETEC; UFLA; FEAM. Mapa de solos do estado de Minas Gerais: legenda expandida. Belo Horizonte: FEAM, 2010. 49 p.

USGS. Earth explorer. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

VASCONCELOS, V.; CARVALHO JUNIOR, O. A.; MARTINS, E. S.; COUTO JUNIOR, A. F.; GOMES, R. A. T. Sistema de classificação geomorfométrica baseada em uma arquitetura sequencial em duas etapas: árvore de decisão e classificador espectral, no Parque Nacional da Serra da Canastra. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.13, n.2, p.171-186, 2012.

ZHOU, Z.; HUANG, J.; WANG, J.; ZHANG, K.; KUANG, Z.; ZHONG, S.; SONG, X. Object-Oriented Classification of Sugarcane Using Time-Series Middle-Resolution Remote Sensing Data Based on AdaBoost. PLoS ONE, v. 10, n. 11, p. 1-16, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2019.1527.003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.