A Expansão da Pós-Graduação e a Emergência de Novos Sujeitos na Pesquisa Geográfica

Cristiano Quaresma de Paula

Resumo


As políticas públicas de incentivo à pós-graduação no Brasil evidenciam sujeitos sociais antes invisíveis em pesquisas geográficas, como os pescadores artesanais. Analisando as dissertações e teses defendidas entre 1982 e 2015 na Geografia brasileira, sobre a pesca artesanal, houve um aumento no número de pesquisas. Isso se deve aos Planos Nacionais de Pós-Graduação que proporcionaram a ampliação dos cursos de mestrado e doutorado regional e mesorregionalmente. No caso da pesquisa sobre a pesca artesanal, observa-se também a influência das abordagens críticas na Geografia brasileira, que na contemporaneidade também integram argumentos sobre a colonialidade do pensamento. Além disso, os pescadores estão se tornando mais evidentes, assim como outros grupos e movimentos sociais, e reivindicam direitos sociais e políticas públicas próprias.


Texto completo:

PDF PDF_8272

Referências


ANDRADE, Manoel Correia de Andrade. A construção da Geografia brasileira. RA’EGA. Espaço Geográfico em análise. v. 3, 1999. Pp.19-34

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, 2007.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento da Área. Área 36 Geografia. / Coordenação de Pessoal de Nível Superior. – Brasília, DF: CAPES, 2016. 42p.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020 / Coordenação de Pessoal de Nível Superior. – Brasília, DF: CAPES, 2010. 309p.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano. Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2005-2010/ Coordenação de Pessoal de Nível Superior. – Brasília, DF: CAPES, 2010. 91p.

DE PAULA Cristiano Quaresma. Gestão compartilhada dos territórios da pesca artesanal: Fórum Delta do Jacuí. 2013. 129p. Dissertação ( Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

DE PAULA Cristiano Quaresma. Geografia (s) da Pesca Artesanal Brasileira. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2018. 451p.

FRANÇA, Ary. A Ilha de São Sebastião: estudo de Geografia humana. São Paulo: Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, 1954. 194p.

GUILHERME, Cássio Augusto. DE DILMA A TEMER: da crise do lulismo ao golpe do pemedebismo. Anais do XXIX Simpósio Nacional de História.Contra os preconceitos: história e democracia. 2017. Disponível em . Acesso em 12 out 2017.

HABERMAS, Jurgüen. Teoria do Agir Comunicativo - Racionalidade da Ação e Racionalização do Social. São Paulo: Martins Fontes, v. 1, 2012A.

HABERMAS, Jurgüen. Teoria do Agir Comunicativo - Sobre a Crítica da Razão Funcionalista. São Paulo: Martins Fontes, v. 2, 2012B.

LEFF, Enrique. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Tradução de Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MENDONÇA, Francisco. Temas, Tendências e Desafios da Geografia na Pós-Graduação Brasileira. Revista da ANPEGE V. 2, N. 02, 2005. Pp.7-20.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia Pequena História Crítica. 20. ed., São Paulo: Annablume, 2005. 152p.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A GEOGRAFIA ESTÁ EM CRISE. VIVA A GEOGRAFIA! (Comunicação apresentada no 3° Encontro Nacional de Geógrafos). Boletim Paulista de Geografia. N.5, 1978.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In. LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Títulos del Programa Sur-Sur: CLACSO, 2005. Pp. 107-130.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Los nuevos movimientos sociales. Revista del Observatorio Social de América Latina/OSAL, 5, 2001. Pp.177-188.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Novos Estudos Cebrap, N. 79, 2007, pp. 71-94.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In. Revista Crítica de Ciências Sociais, N. 63, 2002. Pp. 237-280.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula G.; NUNES, João Arriscado. Conhecimento e Transformação Social: por uma ecologia de saberes. In. Hiléia – Revista de Direito Ambiental da Amazônia, N. 6; 2006. Pp.11-104.

SILVA, José Borzacchiello da. DANTAS, Eustógio Wanderley Correia. A pós-graduação em Geografia no Brasil: uma contribuição à política de avaliação. Revista da ANPEGE. n. 2, 2005. Pp.

SPÓSITO, Eliseu Sevério. A pós-graduação em Geografia no Brasil: Avaliação e tendências. In. SPÓSITO, Eliseu Sevério; SILVA, Charlei Aparecido da, SANT’ANNA NETO, João Lima; MELAZZO, Everaldo Santos. A diversidade da Geografia Brasileira. Escalas e Dimensões da Análise e da Ação. Rio de Janeiro; Consequência, 2016. Pp.523-543.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. A expansão da pós-graduação em Geografia e a ANPEGE. Revista da ANPEGE. v. 1, n. 01, 2003. Pp. 17-32.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Rumos e Rumores da Pós-graduação e da Pesquisa em Geografia no Brasil. Revista da ANPEGE. v. 3, 2007. pp.11-19




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2018.1425.0002

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.