Biodiversidade, geopolítica e turismo na África Austral: uma análise centrada no grande parque transfronteiriço do Limpopo (África do Sul, Moçambique e Zimbabwe)

Davis Gruber Sansolo, Rita de Cassia Ariza Cruz

Resumo


Centrando a análise no Grande Parque Transfronteiriço do Limpopo, localizado entre a África do Sul, Moçambique e Zimbabwe, este artigo discute a proteção da natureza e da biodiversidade especificamente como uma questão geopolítica. Para tanto, apoia-se em uma breve digressão histórica acerca do surgimento e do desenvolvimento de áreas protegidas no mundo e no continente africano, especificamente, até chegar à contemporaneidade, destacando a recente valorização do uso turístico dessas áreas. Contradições deste processo tal como a segregação socioespacial de populações autóctones, decorrente da implementação de áreas de  proteção ambiental, são  analisadas e compreendidas como uma forma de espoliação da população africana de suas terras, de seus territórios e de seus recursos naturais.   Além disso, discute-se, também, a realização de projetos transnacionais gestados em nações economicamente hegemónicas e por organismos supranacionais (como banco Mundial e ONGs ambientalistas), compreendidos como instrumentos geopolíticos e geoeconômicos de controle do território africano, dando-se ênfase ao Peace Park Foundation e a promoção do desenvolvimento do turismo a ela atrelada. Portanto, a pricnipal contribuição desses paper é a introdução a uma discussão sobre a importância das áreas protegidas no processo de produção do espaço, isto é, como a biodiversidade e o turismo são conteúdos que se impõe como verticalidades sobre o território, na forma de áreas protegidas

Palavras-chave


biodiversidade, parque nacional, turismo, geopolítica, África Austral.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, Sarita. Geopolítica da biodiversidade. Brasília: Edições Ibama, 1998

ANDAM,K.S. et alii. Protected areas reduced poverty in Costa Rica and Thailand. PNAS vol. 107 no. 22, 2009.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da super-modernidade. Campinas: Papirus, 1996.

BEDIM, Bruno Pereira. O espaço capitalista da natureza e seu (contra)uso turístico: a dialética da visitação pública em áreas protegidas - um ensaio teórico. Caderno Virtual de Turismo Vol. 7, N° 3, 2007.

BELAIDE, Nádia. The Great Limpopo Tranfrontier Park: una gestión régionalisée de la biodiversité au service du développement? EchoGéo, v. 7, 208, pp. 1-11. Disponível em http://echogeo.revues.org/8523.

BENSUSAN, Nurit. Seria melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade, como, para quê e por quê. Brasília: Ed. da UnB, 2008.

CÂMARA, Ibsen de Gusmão. Aspectos Históricos da conservação: Lições a aprender. In: CARBOGIN, João Bosco Primo. Estratégias de Conservação da Biodiversidade no Brasil. Editora Fundação Brasil Cidadão, p.p 10:17. 2007.

CRUZ, Rita de Cássia Ariza da Cruz. Geografias do turismo, de lugares a pseudo-lugares. São Paulo: Roca, 2007.

DIJK, Lutz van. A history of África. Caple Town: Trafelberg Editors, 2006.

FONTENELE, Ana Consuelo F. & SANTOS, Josefa L. Reflexões sobre areas protegidas nos asssentamentos de reforma agrária da Grande Aracajú. Disponível em http://www.uff.br/vsinga/trabalhos/Trabalhos%20Completos/Ana%20Consuelo%20Ferreira%20Fontenele.pdf.

GANEM, Roseli Senna. Conservação da biodiversidade: das reservas de caça à convenção sobre diversidade biológica. In: GANEM, Roseli Senna (Org.). Conservação da biodiversidade, legislação e políticas públicas. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 2011, pp. 75-109. Disponível em http//www.bd.camara.br.

GUIYOT, Sylvain. Les parcs naturels d’Afrique australe: d’autres territories de conflicts. Paris: Ressources de géographie pour les enseignants. 2006.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e Politica. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008, 190 p.

LUNSTRUM, Elizabeth. Mozambique, neoliberal land reform, and the Limpopo National Park. The Geographical Review 98 (3): 339-355, julho, 2008, pp. 339-355.

MORSELLO, C. Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: AnnaBlume/Fapesp, 2008.

MOURA, Rosa & MAGALHÃES, Marisa Valle. Leitura do Padrão de urbanização do Paraná nas duas últimas décadas. Curitiba, Revista Paranaense de Desenvolvimento, n. 88, Maio/Agosto, 1996, pp. -21.

RAIMUNDO, Inês. Mobilidade da população, pobreza e feitiçaria no meio rual de Moçambique. Maputo: Revista Economia, Politica e Desenvolvimento, dez/2009, v. 1, pp. 13-39.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

_____. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. 190 p.

SARRASIN, Bruno. Géopolitique du tourisme à Madagascar: de la protection de l’environment au développement de l’économie. Paris: Hérodote, n. 127, 2007, pp. 124-149.

SPIERINBURG, Marja, et alii. Transfrontier Tourism and Relations Between Local Communities and the Private Sector in the Great Limpopo Transfrontier Park. In:, HOTTOLA, Petri (Edit.). Tourism Strategies and Local Responses in South Africa. Wallingford, UK, CABI Haedoffice, p.p 167:182 2009.




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2018.1423.0003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.