PERU-BOLÍVIA-BRASIL: garimpeiros e ideia de região transfronteiriça

Maria Célia Nunes Coelho, Luiz Jardim de Moraes Wanderley

Resumo


O presente trabalho analisa a pequena mineração informal e ilegal de ouro (pequenos em volume de produção, em venda e em aporte de capital) na contradição com os ordenamentos espaciais e as ações regulatórias relacionadas à criação de áreas ambientalmente protegidas, à demarcação de terras indígena, à expansão capitalista e à delimitação de reservas garimpeiros na Amazônia Ocidental. Os arranjos espaciais, acompanhados de novas regras e instrumentos institucionais, e a implementação de recentes projetos de infraestruturas - estradas, pontes, hidrelétricas e portos – nas tradicionais áreas de mineração de ouro tendem a estar associados a projetos geopolíticos internacionais ou geoeconômicos estratégicos de construção de “novas” regiões produtivas e de corredores de exportação, que acabam excluindo a pequena mineração aurífera. Neste artigo, a região da tríplice fronteira entre Peru, Bolívia e Brasil, área tradicional de extração garimpeira ao longo do rio Madeira, Beni e Madre de Dios desde a década de 1980, constituirá o nosso estudo empírico.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5418/RA2013.0912.0001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.