A GEOGRAFIA OFICIAL PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: as intencionalidades para a reprodução do conhecimento geográfico.

Rodrigo Coutinho Andrade

Resumo


As políticas públicas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) se materializaram no Brasil, após a ofensiva neoliberal, por meio da sincronia entre a gestão nos pressupostos do gerencialismo e a revisão das finalidades formativas sob a ótica do capital. Isto pode ser conferido pela ascensão e cristalização da Pedagogia das Competências tendo em vista as novas morfologias do trabalho, assim como nas predileções para a cidadania de qualidade nova. Neste sentido, objetivamos no presente artigo identificar as transformações imputadas para a EJA ao longo dos últimos anos no que tange às intencionalidades do processo de recomposição burguesa, verificando nas políticas curriculares para o ensino de Geografia os impactos para a formação humana. Trata-se de uma pesquisa básica, de análise qualitativa, de caráter explicativo, que se insere na categoria de pesquisa de tipo bibliográfico-documental.


Palavras-chave


EJA; Currículo; Ensino de Geografia.

Texto completo:

PDF_1528-009

Referências


ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

_____. As configurações do trabalho na sociedade capitalista. Revista Katálysis, v. 12, n. 2, 2009.

______. O privilégio da servidão: O novo proletariado de serviço na era digital. Boitempo Editorial, 2017.

______. Entrevista. São Paulo: Brasil de Fato. 19 de Setembro de 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 de junho de 2017a.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

______. Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais. Brasília: MEC: 2001.

______. Presidência da República. Lei Nº 13.467, de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei Nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis Nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 de agosto de 2019.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

CARVALHO, Marcelo Pagliosa. O financiamento da EJA no Brasil: repercussões iniciais do FUNDEB. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 30, n. 3, 2014.

CASTRO, Claudio Moura e. A receita dos educadores. Revista Veja. São Paulo, página 50, 23 de jun.de 1993. Disponível em . Acesso em: 23 de outubro de 2016.

DELORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir – Relatório da Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Brasília: Unesco, 1996.

DI PIERRO, Maria Clara. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. Educação & Sociedade, v. 26, n. 92, p. 1115-1139, 2005.

DRUCKER, Peter. A sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Globo, 2006.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, volume 3: Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2000.

______. Cadernos do Cárcere, volume 2: Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001.

______. Cadernos do Cárcere, volume 4: temas de cultura, ação católica. Americanismo e fordismo. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

HIRATA, Helena. Os mundos do trabalho. In: CASALI, Alípio et al. Empregabilidade e educação: novos caminhos no mundo do trabalho. São Paulo: EDUC, 1997.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio, 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 de agosto de 2019.

INEP. Censo Escolar da Educação Básica, 2018. Brasília, DF: INEP, 2018. Disponível em: . Acesso em seis de julho de 2019.

KUENZER, Acacia Zeneida. Pedagogia da fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. Em Aberto, v. 4, n. 28, 2011.

______. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, 2017.

LACOSTE, Yves. A geografia - isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. São Paulo: Papirus, 1988.

LINHART, Danièle. A desmedida do capital. São Paulo: Boitempo, 2007.

MACHADO, Maria Margarida. Formação de professores para EJA: uma perspectiva de mudança. Retratos da Escola, v. 2, n. 2/3, 2012.

MARTINS, André Silva; NEVES, Lúcia Maria Wanderley. A direita para o social e esquerda para o capital: intelectuais da nova pedagogia da hegemonia no Brasil. São Paulo: Xamã, 2010.

______. Educação Básica: tragédia anunciada? São Paulo: Xamã, 2015.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. Boitempo Editorial, 2015.

MÉSZÁROS, Ístvan. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

MOREIRA, Ruy. O discurso do avesso: para a crítica da geografia que se ensina. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

______. A diferença e a Geografia: o ardil da identidade e a representação da diferença na geografia. GEOgraphia, v. 1, n. 1, p. 41-58, 2009.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. São Paulo: Cortez, 2001.

ROCHA, Genylton Odilon Rêgo da. O Ensino de Geografia no Brasil: as prescrições oficiais em tempos neoliberais. Revista Contrapontos, v. 10, n. 1, p. 14-18, 2010.

SANTOS, Enio Serra dos. O mundo do trabalho na geografia a ser ensinada na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 1, n. 1, p. 24-46, 2011.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. São Paulo: Hucitec, 1978.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2012.

SILVA, Monica Ribeiro da. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008.

SOARES, Leôncio José Gomes. Do direito à educação à formação do educador. In: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia Gomes de Castro; GOMES, Nilma Lino (Orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

SOUZA, José dos Santos. Trabalho, educação e sindicalismo: anos 90. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2002.

______. A EJA no contexto das políticas públicas de inclusão de jovens no mercado de trabalho. In: SOUZA, José dos Santos; SALES, Sandra Regina (Orgs.). Educação de Jovens e Adultos: políticas e práticas educativas. Rio de Janeiro: Nau Editora; EDUR, 2011.

______. O sindicalismo brasileiro e a qualificação do trabalhador. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6. 2015.

TONET, Ivo. Educar para a cidadania ou para a liberdade?. Perspectiva, v. 23, n. 2, p. 469-484, 2005.

UNESCO. Relatório Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos. Brasília: UNESCO, MEC, 2016.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

VENTURA, Jaqueline Pereira. A EJA e os desafios da formação docente nas licenciaturas. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, v. 21, n. 37, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5418/RA2019.1528.0009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

 

 

 

 


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.