Dieta consumida por bovinos em pastagens cultivadas e consorciadas com leguminosas, estabelecidas com e sem queima da vegetação secundária

Andrea Krystina Vinente Guimaraes, Ari Pinheiro Camarão, José Adérito Rodrigues Filho

Resumo


Avaliou-se a composição botânica da dieta em pastagens de capim marandú (B. brizantha) e capim quicuio (B. humidicola) consorciadas com leguminosas, em dois métodos de preparo de área: com e sem queima. Foram testadas três pastagens para cada experimento: 1. QB - B. humidicola + B. brizantha cv. Marandu. 2. QBAL - B. humidicola + B. brizantha consorciada com A. pintoi cv. Amarilo + L. leucocephala cv. Cunninghan. 3. QBAC - B. humidicola + B. brizantha consorciada com A. pintoi cv. Amarilo + C. Argentea (Cratylia). A composição botânica foi determinada usando a técnica da análise microhistologica de fezes. As coletas de fezes foram realizadas a cada dezoito dias.  O consumo de quicuio e de espécies da capoeira foram superiores na época seca e de braquiarão, na chuvosa. As percentagens de quicuio foram superiores no método com queima, as de braquiarão, no método mulch. As percentagens de braquiarão foram superiores nas pastagens de QB e QBAL e as de leguminosas, nas pastagens consorciadas com leguminosas. Foram encontradas 14 famílias e 23 espécies. O método de preparo de área infuenciou a composição botânica da dieta. As espécies da capoeira tiveram pequena participação na composição botânica da dieta dos animais.


Palavras-chave


B. humidicola, B. brizantha, Arachis pintoi

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.