Valorização do soro de leite como bebida láctea adaptada para processamento em assentamentos rurais

Renata do Nascimento Santos, Marney Pascoli Cereda

Resumo


Embora com produtividade média de 4,5 litros/animal/dia, a produção de leite é muito comum no meio rural brasileiro como atividade de subsistência e segurança alimentar. Em razão das dificuldades de armazenamento é também comum seu processamento em queijos, resultando o soro como resíduo. A pesquisa teve como objetivo o desenvolvimento e estudo de vida de prateleira de bebida láctea de soro de queijo mozarela, valorizando os produtos da agricultura familiar. De acordo com a legislação brasileira as bebidas lácteas são misturas de leite (pelo menos 51% do total de ingredientes) com o soro, com outros ingredientes adicionados. O soro foi coletado em laticínio comercial localizado em um assentamento rural a 20 km do laboratório e apresentou as características adequadas segundo a legislação brasileira, com adequados valores físico-químicos e microbianos. A formulação foi ajustada para adequar-se à produção em pequenas agroindústrias da zona rural de forma a permitir ser comercializado em merenda escolar. Os atributos organolépticos permitiram selecionar uma formulação, saborizada com polpa de maracujá e massa de mandioca cozida como espessante, ambos os ingredientes facilmente encontrados em assentamentos rurais. A vida de prateleira da bebida pasteurizada e refrigerada (5°C) foi acompanhada por 21 dias, sem que fossem observadas grandes variações do pH, acidez ou na contagem de coliformes totais, aeróbios mesófilos, psicrotróficos e leveduras/bolores, sem contagem para coliformes fecais. Nos atributos organolépticos a bebida obteve a média geral de 7,4, com boa aceitação por parte dos provadores, o que poderá colaborar para venda em programas de apoio à agricultura familiar como o Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Palavras-chave


Espessante. Agroindústria. Atributos organolépticos. Maracujá. Mandioca.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária- ANVISA. Aprova o Regulamento Técnico: Aditivos Alimentares – definições, classificação e emprego. Portaria nº 540, de 27 de outubro de 1997. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br. Acesso em 26 ago. 2016.

ACHANTA, K.; ARYANA, K. J.; BOENEKE, C. A. Fat free plain set yogurts fortified with various minerals. LWT - Food Science and Technology, v. 40, n. 3, p. 424–429, 2007.

ANDRADE, R. L. P. DE; MARTINS, J. F. P. Influência da adição da fécula de batata-doce (Ipomoea batatas L.) sobre a viscosidade do permeado de soro de queijo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 22, n. 3, p. 249–253, 2002.

BLIGH, E. G.; DYER, W. J. A RAPID METHOD OF TOTAL LIPID EXTRACTION AND PURIFICATION. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology, v. 37, n. 8, p. 911–917, ago. 1959.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado. Instrução Normativa nº 62, de 29 de dezembro de 2011. Gabinete do Ministro, Brasília, 29 dez. 2011. Disponível em: http://www.apcbrh.com.br/files/IN62.pdf. Acesso em: 26 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento, Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Bebidas Lácteas. Aprovado pela Instrução Normativa n° 16 de 26 de agosto, Brasília, 2005. Disponível em: https://www2.cead.ufv.br/sgal/files/apoio/legislacao/legislacao6.pdf. Acesso em: 26 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Instrução Normativa n° 68 de 12 de dezembro de 2006. Métodos analíticos físico-químicos para controle de leite e produtos lácteos. Diário Oficial da União, Brasília, 14 dez. 2006. Disponível em: http://bjft.ital.sp.gov.br/arquivos/NormaPublicacaoPortugues2017.pdf. Acesso em: 18 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Determinação de proteína bruta em produtos de origem animal por acidimetria. Cód. MET POA/SLAV/39/02/01, p. 1-12, 24 de julho de 2014.

CAPITANI, C.D.; PACHECO, M. T. B.; GUMERATO, H. F.; VITALI, A.; SCHMIDT, F. L. Recuperação de proteínas do soro de leite por meio de coacervação com polissacarídeo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 40, n. 11, p. 1123-1128, 2005.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Conjuntura Mensal Especial: Leite e Derivados. Brasília-DF, p. 1-15, abril 2017.

CORRÊA, C. C.; VELOSO, A. F.; BARCZSZ, S. S. Dificuldades enfrentadas pelos produtores de leite: um estudo de caso realizado em um município de Mato Grosso do Sul. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Campo Grande, 2010.

EPAMIG - Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Tecnologia de fabricação de bebida láctea fermentada e não fermentada, Juiz de Fora, p. 20, 2010.

FALEIRO, F. G.; JUNQUEIRA, N.T. V. Maracujá: O produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília, DF: Embrapa, p. 341, 2016.

FONTAN. G. C. R. Influência do uso de espessantes nas características sensoriais e físico-químicas de bebida láctea com polpa de umbu. 2008. 57 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, 2008.

FRANCO, G. Tabela de composição química dos alimentos. 9ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2007. 307 p.

HORWITZ, W. (ED.). Official methods of analysis of AOAC International. 18. ed ed. Gaithersburg, Md: AOAC International, 2005.

MARTIN, E. S.; CASTANHEIRA, M. E. F. G.; RODRIGUES D.F.; FÉBOLI, A. Estudo da variação do ph do soro de queijo em função do tempo de exposição a gradientes de temperatura. Rev. Conexão Eletrônica, Três Lagoas, MS, v. 13, n. 1, 2016.

MAWSON, A. J. Bioconversions for whey utilization and waste abatement. Bioresource Technology, v. 47, n. 3, p. 195–203, 1994.

NELSON, N. A photometric adaptation of the Somogyi method for the determination of glucose. The Journal of Biological Chemistry, v. 153, n. 2, p. 375-380, 1944.

OLIVEIRA, V. M. Formulação de bebida láctea fermentada com diferentes concentrações de soro de queijo, enriquecida com ferro: caracterização físico-química, análises bacteriológicas e sensoriais. 2006. 78 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal) – Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

PENNA, A. L. B. Hidrocolóides: usos em alimentos. Food ingredients South America, São Paulo, vol.3, n.17, p.58-64, 2002.

REAL, L. C.V.; SCHNEIDER, S. O uso de programas públicos de alimentação na reaproximação do pequeno produtor com o consumidor: o caso do Programa de Alimentação Escolar. Estudo & Debate, v. 18, n. 2, p. 57-79, 2011.

RICE, E. W.; AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION (EDS.). Standard methods for the examination of water and wastewater. 22. ed ed. Washington, DC: American Public Health Association, 2012.

SOMOGYI, M. Determination of blood sugar. The Journal of Biological Chemistry, v. 160, p.69-73, 1945.

SANTOS, C.T. MARQUES, G. M. R.; FONTAN, G. C. R.; FONTAN, R. C. I.; BONOMO, R. C. F.; BONOMO, P. Elaboração e caracterização de uma bebida láctea fermentada com polpa de umbu (Spondias tuberosa sp.). Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 8, n. 2, p. 111–116, 2008.

STATSOFT. Statistica data analysis software system. Version 13.1. Tulsa: Statsoft Inc., 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v12i46.9343

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/

Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.