Aptidão e capacidade de uso das terras do Vale do Paraíba Paulista para o cultivo de Tectona grandis L.

Júlio César Ribeiro, Lúcia Helena Cunha dos Anjos, Marcos Gervasio Pereira

Resumo


O reflorestamento com espécies exóticas de elevada resistência natural a pragas e doenças e com produção de madeira de alta qualidade para fabricação de móveis e construção naval, como a teca (Tectona grandis L.), têm se tornado uma opção rentável ao cultivo em regiões antes consideradas improdutivas. Dessa forma, o estudo foi conduzido com objetivo de avaliar a aptidão e a capacidade de uso das terras da região do Vale do Paraíba Paulista para a implantação de cultivo florestal de teca por meio da Avaliação da Capacidade de Uso e do Sistema de Avaliação da Aptidão Agrícola das Terras, sendo utilizados levantamentos geológicos, geomorfológicos, pedológicos, climáticos e de mobilidade, já realizados na região de estudo. A aptidão e a capacidade de uso das terras da região do Vale do Paraíba Paulista indicam que as condições climáticas locais são favoráveis ao cultivo comercial de teca, e que as principais limitações dos solos estão relacionadas à fertilidade, mecanização e susceptibilidade a erosão. Os Cambissolos, Espodossolos e Gleissolos presentes na região não são indicados ao cultivo da espécie por apresentarem características de solos não favoráveis ao plantio. O cultivo deve ser realizado em áreas que apresentam preferencialmente Latossolos seguido de Argissolos, os quais devem ser manejados sob técnicas conservacionistas de caráter vegetativo e mecânico por apresentarem características suscetíveis à degradação. De um modo geral, verificou-se grande similaridade entre as classificações obtidas pelas metodologias utilizadas, sendo necessário, no entanto, conhecimentos interdisciplinares para uma adequada interpretação das características limitantes das terras para o uso agrícola adequado.

Palavras-chave


Classes de solo; floresta; Madeira nobre; Teca.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ALTIERI, M. Agroecologia: Bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Editora Expressão Popular. 400p. 2012.

AMORIM, J. V. A.; FROTA, J. C. O.; VALLADARES, G. S.; CABRAL, L. J. R. S.; GUIMARÃES, C. C. B.; COELHO, R. M.; AQUINO, R. P. Adequabilidade do uso agrícola das terras do sertão central do Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física. V. 10, n. 1, p. 228-238. 2017.

ANDRADE, D.C.; REIS, T. E. S.; REIS, L. C. Conflito de uso do solo em área de recarga do áquifero guarani na bacia do médio rio das cinzas . Geociências (São Paulo), v. 34, n. 1, p. 69-76. 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS. ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2012, ano base 2011. Brasília: ABRAF, 150 p. 2012.

BERTONI, J.; LOMBARDI-NETO, F. Conservação do solo. 5º edição. São Paulo: Ícone. 355p. 2005.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Macrozoneamento da Amazônia. Estratégias de transição para a sustentabilidade. Brasília, Comissão Coordenadora do ZEE no Território Nacional, 2010. 164p.

COMITÊ DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL - CEIVAP. Projeto qualidade das águas e controle da poluição hídrica na Bacia do Rio Paraíba do Sul. Relatório Final. São Paulo: Governo de São Paulo/CBH - Rio Paraíba do Sul e Serra da Mantiqueira. 256 p. 2000.

COSTA, R. B.; RESENDE, M. D. V.; SILVA, V. S. M. Experimentação e seleção no melhoramento genético de TECA (Tectona grandis L.). Floresta e Ambiente, v. 14, n. 1, p. 76–92, 2007.

DELARMELINDA, E. A.; WADT, P. G. S.; ANJOS, L. H. C.; MASUTTI, C. S. M.; DA SILVA, E. F.; SILVA, M. B.; COUTO, W. D. Avaliação da aptidão agrícola de solos do Acre por diferentes especialistas. Embrapa AcreArtigo em periódico indexado (ALICE). 2011.

DELARMINDA, E. A.; WADT, P. G. S.; ANJOS, L. H. C.; MASUTTI, C. S. M.; SILVA, E. F.; SILVA, M. B.; COELHO, R. M.; SILVA, L. M.; SHIMIZU, S. H.; COUTO, W. H. Aplicação de sistemas de avaliação da aptidão agrícola das terras em solos do Estado do Acre, Amazônia. Biota Amazônica, Macapá, v. 4, n. 2, p. 87-95. 2014.

DIAS, D. P.; FREITAS, K. K. S.; FREITAS, D. V. Características estruturais de folhas em diferentes estágios fenológicos de Tectona grandis L.f. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 13, n. 23, p. 242-251. 2016.

EMPRESA PAULISTA DE PLANEJAMENTO METROPOLITANO SA - EMPLASA. Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano. Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, 132 p. 2013.

FOLHES M. T, FISCH G. Caracterização climática e estudo de tendências nas séries temporais de temperatura do ar e precipitação em Taubaté, SP. Revista Ambiente e Água V.1, n.1, p. 61-71. 2006.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - IPT. Mapa Geológico do Estado de São Paulo, São Paulo: IPT. 1981.

LEPSCH, I. F.; ESPINDOLA, C. R; FILHO, O. J. V; HERNANI, L. C.; SIQUEIRA, D. S. Manual para levantamento utilitário e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. Viçosa, MG: SBCS, 170p, 2015.

MACHADO, L. N.; LOSS, A.; BACIC, I. L. Z.; DORTZBACH, D.; CAMPOS LALANE, H. Avaliação do potencial agrícola e conflitos de uso das terras na microbacia Lajeado Pessegueiro, Santa Catarina. Revista de Ciências

Agroveterinárias, v. 16, n. 3, p. 308-323. 2017.

MOURA C. A; JIMENEZ-RUEDA J. R; MARTINS-COELHO J. O. O processo pedogenético no domínio tropical atlântico - O exemplo do Vale do Paraíba do Sul/SP. VI Simpósio Nacional de Geomorfologia, Goiânia, 2006.

NÓBREGA, M. S.; WADT, P. G. S.; ANJOS, L. H. C.; PEREIRA, M. G. Indicadores de capacidade de uso da terra para escala de propriedade rural: deficiência de fertilidade do solo. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), v. 2, n. 2, p. 1-7. 2012.

OLIVEIRA, J. B.; CAMARGO, M. N.; ROSSI, M.; CALDERANO-FILHO, B. Mapa Pedológico do Estado de São Paulo. Campinas: Instituto Agronômico de Campinas (IAC)- Escala 1:500.000, 1999.

PINTO, C. T. Identificação de áreas susceptíveis aos processos erosivos na região do Vale do Paraíba. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. 2013.

POELKING, E. L.; DALMOLIN, R. S. D.; DE ARAÚJO PEDRON, F.; FINK, J. R. Sistema de informação geográfica aplicado ao levantamento de solos e aptidão agrícola das terras como subsídios para o planejamento ambiental do município de Itaara, RS. Revista Árvore, v. 39, n. 2, p. 215-223. 2015.

PONÇANO, W. L.; CARNEIRO, C. D. R.; BISTRICHI, C. A.; ALMEIDA, F. F. M.; PRANDINI, F. L. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas. 94 p. 1981.

RAMALHO-FILHO, A.; BEEK, K. J. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. 3. ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CNPS. 65 p. 1995.

RONDON-NETO, R. M.; MACEDO, R. L. G.; TSUKAMOTO-FILHO, A. A. Formação de povoamentos florestais com Tectona grandis L. (Teca). Boletim Técnico - Série Extensão, v. 7, n. 33, p. 1-29, 1998.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; LUMBREARAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; ARAÚJO-FILHO, J. C.; OLIVEIRA, J. B. CUNHA, T. J. F. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. Ed. Brasília, DF: Embrapa. 2018.

SILVA, I. R; MENDONÇA, E. S. Matéria Orgânica do solo. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ V, V. H.; BARROS, N. F.; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. Fertilidade do Solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo-SBCS. 2007.

SILVA, L. S.; CAMARGO, F. A. O.; CERETTA, C. A. Composição da fase sólida orgânica do solo. In: MEURER, E. J. Fundamentos de Química do Solo. 6.ed. Porto Alegre: EVANGRAF. 275 p. 2012.

SILVA-NETO, E. C.; SOUZA, A. F. F.; JÚNIOR, M. G. C.; CORDEIRO, A. A. S. Aplicação do sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras (SAAAT) em solos do Norte de Minas Gerais. Agrarian Academicy, v. 5, n. 9, p. 30-45. 2018.

WADT, P. G. S.; DELARMELINDA, E. A.; COUTO, W. H.; DOS ANJOS, L. H. C.; PEREIRA, M. G. Validação de sistema de aptidão agrícola das terras em projeto de assentamento de Sena Madureira, Acre. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), v. 5, n. 4, p. 68-77. 2015.

WADT, P. G. S.; COUTO, W. H.; DELARMELINDA, E. A.; DOS ANJOS, L. H.

C.; PEREIRA, M. G. Avaliação da aptidão agrícola das terras em solos sedimentares associados a argilas de alta atividade da Amazônia Sul Ocidental. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), v. 6, n. 1, p. 55-59. 2016.




DOI: https://doi.org/10.30612/agrarian.v12i44.8944

Direitos autorais 2019 Agrarian



Revista Agrarian

ISSN da versão online: ISSN 1984-2538
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.