Desenvolvimento e produção de pólen em colméias de Apis mellifera L. africanizadas mantidas em cultura de girassol

Danilo Freitas da Silva, Ivan Graça Araujo, Júlio Henrique Welter, Rafael Bourscheid Wagner, Luís Fernando Glasenapp de Menezes, Miguelangelo Ziegler Arboitte

Resumo


Foram alojadas oito colméias Langstroth com coletor de pólen modelo alvado, mantidas em uma área de 5 ha de lavoura de girassol (Hellianthus annuus L.), distribuídas em dois tratamentos: alimento energético (açúcar invertido) ou alimento protéico (açúcar refinado+açúcar invertido+farinha láctea - 6:3:1). O objetivo deste trabalho foi avaliar a alimentação energética ou protéica e o desenvolvimento de colônias de abelhas Apis mellifera L., durante a produção de pólen em cultura de girassol. Foram avaliadas: área de cria, área de mel, área de pólen e produção de pólen das colmeias. O suplemento energético proporcionou maior (P<0,10) área de cria final, e maior (p<0,10) ganho de área de mel em relação ao suplemento protéico. A produção total de pólen foi maior (p>0,10) no tratamento energético comparado ao protéico, sendo 2112,48 e 716,88 gramas, respectivamente. O alimento energético se mostrou mais eficiente na alimentação de abelhas africanizadas durante a produção de pólen na cultura do girassol, a qual proporcionou boa produção de pólen apícola nas colmeias.


Palavras-chave


açúcar invertido; área de cria; área de mel; farinha láctea; pólen apícola

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.