Níveis de fertirrigação nas características morfofisiológicas de mudas de couve chinesa

Carla Regina Baptista Gordin, Adriana Marques dos Santos, Maximiliano Kawahata Pagliarini, Guilherme Augusto Biscaro, Paula Pinheiro Padovese Peixoto

Resumo


A couve chinesa é uma hortaliça amplamente utilizada na alimentação humana. Tendo em vista a escassez de informações referentes à fertirrigação na produção de mudas de olerícolas, o objetivo do presente trabalho foi avaliar os efeitos de diferentes níveis de fertirrigação nas características morfofisiológicas de mudas de couve chinesa (Brassica pekinensis L.), utilizando o fertilizante 20-5-10 (NPK). O experimento foi conduzido em viveiro telado, na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), em bandejas de isopor de 128 células. Foram realizadas duas fertirrigações, aos 5 e aos 12 dias após a emergência. Avaliou-se, aos 32 dias após a semeadura, o número de folhas, o comprimento da parte aérea e da raiz, as massas fresca e seca da parte aérea e da raiz, a área foliar e o teor de clorofila.  O delineamento experimental adotado foi o de blocos ao acaso, utilizando-se seis doses do fertilizante (0,0; 1,0; 2,0; 4,0; 8,0e 16,0 g L-1), com quatro repetições. Os resultados indicaram que a dose de 9,8 g L-1 do fertilizante proporcionou maiores valores de comprimento e massa seca da parte aérea e menor comprimento das raízes, enquanto o número de folhas não sofreu interferência das doses utilizadas. Sendo assim, doses do fertilizante de até 10 g L-1 na água de irrigação são recomendadas para a produção de mudas de couve chinesa.


Palavras-chave


Brassica pekinensis, fertilizantes, produção de olerícolas

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.