Eficiência agronômica da inoculação à base de Pseudomonas fluorescens na cultura do milho

Claudemir Zucareli, Igor Ribeiro Cil, Cássio Egídio Cavenaghi Prete, André Mateus Prando

Resumo


O custo com a utilização de fertilizantes químicos e as frustrações de safras podem ser minimizadas pela inoculação das sementes com rizobactérias promotoras de crescimento vegetal. O trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência agronômica do inoculante à base de Pseudomonas fluorescens na cultura do milho. O experimento foi conduzido na Fazenda Escola da Universidade Estadual de Londrina, no estado do Paraná. Foram testados dois níveis de adubação fosfatada (50 e 100% da recomendação), com e sem inoculação, em esquema fatorial (2 x 2), com cinco repetições. A adubação fosfatada foi realizada no sulco de semeadura utilizando como fonte o superfosfato triplo. As características avaliadas foram altura da planta, altura de inserção da espiga, plantas acamadas, plantas quebradas, comprimento de espiga, número de fileiras por espiga, número de grãos por fileiras, diâmetro da espiga e do sabugo, umidade dos grãos, produtividade e peso de 100 grãos. As avaliações foram realizadas no estádio de maturação de colheita (umidade de 20%). Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. A inoculação à base de Pseudomonas fluorescens, independentemente da adubação fosfatada, aumentou o diâmetro médio das espigas de milho. A inoculação e a adubação fosfatada não alteraram o número de grãos por fileiras, o diâmetro dos sabugos, a massa de 100 grãos, o peso do sabugo e a produtividade de grãos.


Palavras-chave


Adubação fosfatada, rizobactérias e disponibilização de fósforo

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.