Efeito do volume do tubete, tipo e dosagem de adubo na produção de mudas de aroeira (Schinus terebinthifolia Raddi)

Anderson Cleiton José, Antonio Cláudio Davide, Sandro Longuinho de Oliveira

Resumo


Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do volume do tubete, tipo e doses de fertilizantes na produção de mudas de aroeira (S. terebinthifolia). Foram testados tubetes de polietileno de 50 e 150 mL de volume e doses crescentes de MAP (fosfato monoamônico), aplicado em cobertura e Osmocote (fertilizante de liberação controlada), incorporado ao substrato antes do enchimento dos tubetes. Foram avaliadas as variáveis morfológicas: diâmetro do colo (D), altura da parte aérea (H), matéria seca da parte aérea (MSPA), matéria seca de raízes (MSR), matéria seca total (MST), além dos índices MSPA/MSR, H/D e índice de qualidade de Dickson (ID). Constatou-se efeito significativo do tipo de adubo, volume do tubete e doses no crescimento das mudas. Mudas padrão foram obtidas em tubetes de 50 e 150 mL, mediante a fertilização com MAP e Osmocote, entretanto, mudas com maiores dimensões foram obtidas em tubetes de 150 mL e adubadas com Osmocote o qual mostrou-se mais eficiente na produção de mudas da espécie estudada. Doses elevadas de fertilizantes ocasionaram aumento nos índices morfológicos (MSPA/MSR, H/D e ID), devendo-se utilizar 0,06 e 0,05 g L-1 de MAP em tubetes de 50 e 150 mL, respectivamente e 3,50 g L-1 de Osmocote em tubetes de 50 e 150 mL para a produção de mudas padrão de aroeira.

 


Palavras-chave


aroeira, fertilização, qualidade de mudas, MAP, Osmocote.

Texto completo:

PDF




Revista Agrarian 
e-ISSN 1984-2538

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.