Uso de prebiótico (Bio-Mos®) associado a diferentes níveis protéicos em rações de frango de corte

Camila Junqueira Silva, Fernando Miranda Vargas Jr., Iandara Schettert Silva, Edison Rubens Arrabal Arias, Alfredo Sampaio Carrijo, Rodrigo Garófallo Garcia, Renato Fernandes Gomes

Resumo


Foi avaliado a utilização de prebiótico (MOS) e antibiótico promotor do crescimento (APC) associados a diferentes níveis de proteína bruta na alimentação de frangos de corte. Foram utilizados neste experimento 180 pintinhos de um dia, machos, alojados em gaiolas com lotação de cinco aves/gaiola. Os animais foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 3 X 2 (três níveis de proteína bruta e a adição de MOS ou APC). Aos 21 dias do experimento foram necropsiadas duas aves de cada tratamento e coletada amostra do duodeno, jejuno e íleo para avaliação por Microscopia Eletrônica por varredura, onde foi avaliada a integridade da mucosa intestinal e das vilosidades.  A integridade da mucosa do intestino delgado das aves necropsiadas apresentou-se semelhante nos tratamentos com MOS e com APC. Porém, quanto maior o nível de proteína bruta oferecido, mais degradada encontrou-se as vilosidades. Concluiu-se que os MOS são produtos apropriados no caso da substituição dos APC’s na formulação de rações em dietas para frangos de corte.


Palavras-chave


mananoligossacarídeos, promotor de crescimento, prebióticos

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.