Crescimento inicial de Acnistus arborescens (L.) Schltdl. em um gradiente de luz

Selma Freire de Brito, Antonio Marcos Esmeraldo Bezerra

Resumo


O conhecimento das tolerâncias e exigências das espécies a diferentes disponibilidades de luz ajuda a entender a estruturação de comunidades e a regeneração de áreas degradadas. O objetivo do trabalho foi avaliar o crescimento inicial de mudas de Acnistus arborescens em um gradiente de luz. O experimento foi conduzido no Núcleo de Ensino e Pesquisa em Agricultura Urbana, da Universidade Federal do Ceará. Para obtenção das mudas foi realizado a semeadura em bandejas e 30 dias depois as plântulas foram repicadas para sacos de polietileno de 12x25 cm contendo solo e húmus. Os tratamentos foram constituídos de quatro níveis de sombreamento: sol pleno (0% de sombreamento), 50, 70 e 90% de sombreamento, e cinco períodos de avaliação (30, 51, 72, 93 e 114 dias após a repicagem) combinados num arranjo de parcelas subdivididas no delineamento em blocos ao caso com quatro repetições (5 plantas/repetição/período). As variáveis analisadas foram altura, diâmetro, comprimento da raiz, peso da matéria seca das folhas, caule e raiz, área foliar e relação raiz/ parte aérea. A maior altura e produção de biomassa foi observado nas plantas que estavam em ambiente sombreado. Os resultados obtidos mostraram que Acnistus arborescens apresenta um melhor desenvolvimento inicial em ambiente sombreado, e que embora a espécie seja descrita como heliófita, a condição de sol pleno estudada afetou negativamente o desempenho desta espécie.


Palavras-chave


desenvolvimento inicial; ecofisiologia; fruta-de-sabiá; intensidade luminosa

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.