Análise econômica do cultivo do arroz de terras altas com e sem irrigação

José Roberto Portugal, Maria Aparecida Anselmo Tarsitano, Amanda Ribeiro Peres, Orivaldo Arf, Ricardo Antônio Ferreira Rodrigues

Resumo


 Atualmente, a economia do fator água vem sendo amplamente discutida em todas as nações do mundo. O ramo agrícola destaca-se como o maior consumidor de água doce, através da irrigação das culturas. Nesse âmbito, o cultivo do arroz em sistema inundado, onde se detém um grande consumo de água para a irrigação, é um agravante para a produção do arroz de forma sustentável. Assim, esta pesquisa objetivou analisar economicamente três cultivares de arroz de terras altas com e sem utilização de irrigação. Para tal, foi realizada a pesquisa em área experimental pertencente à UNESP, Campus de Ilha Solteira, no município de Selvíria – MS, sob um LATOSSOLO VERMELHO Distrófico típico argiloso. Para análise econômica, foi utilizada a técnica de orçamentação parcial, com base nos acréscimos em produtividade das cultivares em relação à irrigação; acréscimo em valor da produção, de acordo com o preço mínimo do governo, preço médio dos últimos cinco anos e o preço atual da saca de arroz em casca; o custo da irrigação e a margem de ganho bruto também de acordo com os três preços em estudo. O uso da irrigação proporcionou acréscimos de produtividade, destacando-se os obtidos pela cultivar Primavera. Nos dois sistemas utilizados (com e sem irrigação), a cultivar IAC 202 obteve maior produtividade, demonstrando maior potencial produtivo com e sem irrigação. A cultivar Primavera apresentou maior margem de ganho bruto com a utilização de irrigação.


Palavras-chave


cultivares, Oryza sativa L., manejo da água, margem de ganho bruto

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.