Amoras-pretas produzidas em região subtropical, em função de podas, sistemas de condução e número de hastes

Fabíola Villa, Daniel Fernandes Silva, Fabiane Karine Barp, Diego Ricardo Stumm

Resumo


O conhecimento detalhado do comportamento vegetativo e produtivo de cultivares de amoreira-preta é muito importante, a fim de evitar generalizações. Essas informações podem determinar as práticas culturais, entre elas o sistema de condução e podas. Diante do exposto, objetivou-se avaliar a influência de sistemas de condução, podas e número de hastes de cultivares de amoreira-preta cultivadas em região de clima subtropical na produção e qualidade dos frutos. O delineamento experimental do primeiro experimento foi em blocos casualizados, fatorial 2 x 9 (2 tipos de poda x 9 cvs. de amoreira-preta). O delineamento experimental do segundo experimento foi em blocos casualizados, fatorial 4 x 2 (4 números de hastes x 2 sistemas de condução). Os dados físicos-químicos foram coletados durante o ciclo produtivo de 2012/13. A poda drástica de inverno, apesar de facilitar os tratos culturais, não possibilitou boa produção das plantas. A cultivar Brazos apresentou boa produtividade quando efetuada a poda convencional. O sistema de espaldeira dupla com três hastes, para a cultivar Tupy apresentou resultados satisfatórios de produtividade.

 

 


Palavras-chave


pequenos frutos, Rubus sp., suporte para plantas, qualidade de frutos.

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.