Caracterização físico-química da casca de banana tratada com óxido de cálcio

Flávio Pinto Monção, Sidnei Tavares dos Reis, João Paulo Sampaio Rigueira, Eleuza Clarete Junqueira de Sales, Luciana Castro Geraseev, Dorismar David Alves, Vicente Ribeiro Rocha Júnior, Euclides Reuter de Oliveira

Resumo


Este trabalho foi desenvolvido com objetivo de avaliar o efeito de níveis de cal virgem e calcário sobre a composição química e a digestibilidade in vitro da matéria seca da casca de banana. O experimento foi realizado em um delineamento experimental inteiramente ao acaso em esquema fatorial, sendo quatro níveis mais a testemunha, dois aditivos (cal virgem e calcário) e três repetições. Os níveis de inclusão de cal virgem e calcário foram de 1, 2, 3 e 4% da matéria natural de casca de banana. As amostras foram pré-secas ao sol durante 120 horas e posteriormente analisadas. Observou-se aumento nos teores de matéria seca com o suprimento de cal em relação à testemunha, exceto para o nível de 4% de cal virgem que foi 3,84% inferior à testemunha (78,75%). Para o teor de proteína bruta as médias ajustaram-se ao modelo linear de regressão, sendo observada redução de 0,63% para cada 1% de inclusão de cal virgem e calcário na matéria natural. O teor de fibra em detergente neutro não foi influenciado (P>0,05) pela ação da cal virgem e calcário em relação á testemunha com média geral de 50,48%. Não se constatou efeito (P>0,05) dos níveis de cal e calcário sobre a digestibilidade in vitro da matéria seca da casca de banana que apresentou média de 58,50%. Não se recomenda a utilização de cal virgem e calcário, com baixo teor de óxido de cálcio, nos níveis avaliados.


Palavras-chave


cal virgem, calcário, subprodutos, valor nutricional

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.