Jejum alimentar pré-abate no rendimento e qualidade de carcaça de frangos de corte tipo griller

Rodrigo Garófallo Garcia, Fabiana Ribeiro Caldara, Fernando Miranda de Vargas Jr., Leonardo Willian de Freitas, João Dimas Graciano, Alice Watte Schwingel, Diego Marin, Ana Helaise Amadori

Resumo


O manejo pré-abate dos frangos é provavelmente uma das etapas da cadeia produtiva que exerce maior influência nos índices qualitativos e quantitativos dos produtos do abatedouro. O objetivo desta pesquisa foi avaliar os efeitos do período de jejum pré-abate sobre o rendimento de carcaça e cortes comerciais e parâmetros qualitativos da carne de frangos de corte tipo Griller. No 35º dia 10 aves por tratamento (4, 8, 13 e 17 horas de jejum pré-abate) foram abatidas e foram analisadas as variáveis: rendimentos da carcaça quente (RCQ) e fria (RCF), rendimento de cortes comerciais, capacidade de retenção (CRA) e absorção de água (CAA), perda por cozimento (PC) e perda de exsudato (PE). O peso vivo e de carcaça quente das aves submetidas a quatro horas de jejum foi superior ao das aves submetidas aos demais tempos de jejum. Entretanto, não houve diferença para o RCQ e RCF entre os tratamentos. As carcaças das aves submetidas aos maiores tempo de jejum apresentaram maior taxa de absorção de água pós-resfriamento. Não foram observadas diferenças significativas no rendimento de cortes e nos parâmetros qualitativos. A perda de peso vivo dos frangos antes do abate é diretamente proporcional ao período de jejum, refletindo-se sobre o peso da carcaça quente e fria, porém não no rendimento de carcaça e cortes e sem prejuízos aos atributos qualitativos da carne.


Palavras-chave


frangos griller, manejo pré-abate, qualidade de carne, restrição alimentar.

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.