Evapotranspiração de referência estimada pelos métodos Penman–Monteith-FAO (56) e Hargreaves & Samani para o município de Dourados, MS

Carlos Phelippe Zocolaro Noia, Silvio Bueno Pereira, David Rafael Quintão Rosa, Rafael Alvarenga Almeida

Resumo


O atendimento das necessidades hídricas é um dos principais parâmetros para o aumento da produtividade das culturas. Entretanto, a utilização de métodos para a estimativa da evapotranspiração de referência, como fator de entrada para estimativa da evapotranspiração das culturas agrícolas, pode se tornar um problema quando não se dispõe de uma base de dados meteorológicos suficientes para a utilização de determinado método. Neste contexto, objetivou-se com este trabalho, analisar as estimativas da ETo, para o município de Dourados, MS, utilizando os métodos de Penman–Monteith-FAO (56) e Hargreaves & Samani, com base em dados horários, diários, decendiais e mensais, por meio do programa computacional REF-ET, referente ao período de janeiro a dezembro de 2008 para os dados diários e para os dados horários. Os resultados obtidos permitiram concluir que a ETo diária pode ser estimada tanto com base em dados diários ou a partir da integração da ETo horária para o método de Penman –Monteith-FAO (56)  bem como a ETo decendial e mensal obtida a partir da integração da ETo diária para os métodos de Penman –Monteith-FAO (56) e Hargreaves & Samani; os resultados obtidos por Hargreaves & Samani mostraram que a ETo estimada foi, em média, 36,78% maior do que os obtidos por Penman –Monteith-FAO (56); e a equação de Hargreaves & Samani mostrou-se satisfatória para o cálculo da evapotranspiração de referência com a utilização do fator de correção de 0,7212.


Palavras-chave


agrometeorologia; irrigação; REF-ET

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.