Viabilidade agronômica do consórcio entre pinhão manso e soja

Fabio Santos Matos, Daniel Diego Costa Carvalho, Andreyb Cândido de Souza, Tárik Galvão Neves, Ricardo Pires Ribeiro, Clair Kássio Lamberty Cruvinel, Vanessa do Rosário Rosa, Priscilla Gomes de Freitas Santos

Resumo


O cultivo do pinhão manso e soja em sistema consorciado pode representar excelente alternativa para aquisição de renda pelo agricultor familiar. Assim, pretendeu-se avaliar nesse trabalho o desempenho agronômico do pinhão manso e da soja em sistema consorciado. O trabalho foi conduzido de dezembro de 2011 a abril de 2012 no campo experimental da Universidade Estadual de Goiás, Unidade de Ipameri. O experimento foi montado seguindo o delineamento em blocos casualizados com três tratamentos (pinhão manso e soja solteiros e o consórcio entre ambos), seis repetições em parcelas de 16 m2. Foram utilizadas plantas de pinhão manso com quatro anos de idade e implantadas no espaçamento de 4 x 2 m. A soja cv. ‘Nidera 8015 RR’ foi cultivada nas entrelinhas do pinhão manso com 12 plantas m-1 e 0,50 m entre fileiras, distanciadas em 1,0 m do pinhão manso. A soja demonstrou ser excelente opção para captação de recursos necessários a manutenção e aquisição de renda familiar, proporcionando produção média de 2633,7 e 1156,7 kg ha-1 nos sistemas solteiro e consorciado, respectivamente. A incidência e severidade de pústula bacteriana da soja foram menores no sistema solteiro (46,66 e 3,93% respectivamente) quando comparadas ao consorcio (80,77 e 23,61%, respectivamente), evidenciando os efeitos do sombreamento.


Palavras-chave


agricultura familiar, biodiesel, clorofilas totais, Xanthomonas axonopodis pv. Glycines

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.