Qualidade de café nos estádios cereja e verde-cana via condutividade elétrica

Leandro Pin Dalvi, Ney Sussumu Sakiyama, Fernando Antônio Pereira da Silva, Paulo Roberto Cecon

Resumo


A maturação é um fator muito importante para a qualidade do café (Coffea arabica L.). Contribuições significativas para a melhoria da qualidade são atribuídas ao preparo do café por via úmida. O teste de condutividade elétrica é um indicador indireto de danos causados às membranas e paredes celulares que podem ser relacionados à qualidade de bebida. O objetivo deste trabalho foi estimar através do teste de condutividade elétrica o potencial de qualidade do café colhido nos estádios cereja e verde-cana quando preparados por via úmida e determinar o melhor período de embebição. Os grãos em pergaminho foram secos até atingir umidade de 10,5 a 11% e posteriormente beneficiados, e padronizados quanto a defeitos e peneira. A condutividade elétrica do exsudato foi aferida após os períodos de embebição de 3,5 e 5 horas. O experimento foi montado no esquema fatorial 7x2 (7 lotes de café e dois níveis de maturação: cereja e verde-cana), em DIC com quatro repetições. As médias foram comparadas pelo teste F e Scott-Knott a 5%. Grãos verde-cana apresentam maior condutividade elétrica que grãos cereja, porém, de modo geral, todos os resultados situaram-se em níveis baixos, indicando boa integridade das membranas e potencial para bebida de qualidade.

 


Palavras-chave


Coffea arábica L., preparo, maturação

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.