Utilização de bioestimulante organomineral no milho de segunda safra, cultivado no Oeste do Paraná

Fábio Henrique Krenchinski, Leandro Paiola Albrecht, Leandro Rafael Krenchinski, Henrique Fabricio Placido, Alfredo Junior Paiola Albrecht, Giovane Moreno, Ruan Carlos Navarro Furtado, Augusto Tessele

Resumo


O milho é cultivado em todo o país, produzindo quantidades variáveis conforme o investimento em tecnologia. Existe maior procura e maior uso de sementes melhoradas, associadas com tratamentos de fungicidas, inseticidas e biorreguladores. Acredita-se que o uso de bioestimulante pode melhorar muitas características, sendo uma delas a produtividade. O presente trabalho teve como objetivo avaliar parâmetros agronômicos na cultura do milho de segunda safra com o uso de bioestimulante via tratamento de sementes, no município de Marechal Cândido Rondon. O bioestimulante utilizado no experimento foi o Qualytus SCP® organomineral da empresa RHAL®. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso com quatro repetições e dois tratamentos: milho sem o uso de bioestimulante organomineral (M/S) e milho com tratamento de bioestimulante organomineral (M/C). Os dados foram submetidos à análise de variância (p<0,05) com auxílio do programa computacional Sisvar®, em que o teste F foi conclusivo para distinguir as médias. O bioestimulante organomineral mostrou-se eficiente no aumento da altura de plantas e no incremento de outros parâmetros como a produtividade e a massa de mil sementes. 


Palavras-chave


biofertilizante, produtividade, tecnologia, Zea mays L.

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.