Morfometria intestinal de poedeiras suplementadas com própolis

Mariana Belloni, Ibiara Correia de Lima Almeida Paz, Irenilza de Alencar Nääs, Rodrigo Garófallo Garcia, Grace Alessandra de Araújo Baldo, Fabiana Cavichiolo, Marília Carvalho Figueiredo Alves, Fabiana Ribeiro Caldara

Resumo


Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a inclusão de diferentes níveis de própolis na dieta e seu efeito na morfometria da mucosa intestinal de 120 poedeiras semipesadas com 55 semanas de idade, da linhagem Isa Brown®. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado com quatro tratamentos (0, 1, 2 e 3% de própolis in natura na dieta) e três repetições de 10 aves cada. Na ocasião foram avaliadas as medidas de peso do intestino, fígado, pâncreas, moela e proventrículo e estimadas as porcentagens de cada órgão em relação ao peso corporal das aves. Para a avaliação da morfometria da mucosa foram coletados segmentos de duodeno, jejuno e íleo, de oito aves por tratamento. Através da microscopia óptica foram mensuradas altura e largura das vilosidades, bem como a profundidade de cripta. Os dados foram avaliados por ANOVA e as médias comparadas por teste de Tukey (p<0,05). Os resultados para a porcentagem de órgãos em função do peso corporal mostraram que os pesos dos fígados e das moelas foram maiores com a adição de 1% de própolis. A altura das vilosidades aumentou com adição de 3% de própolis nos segmentos de duodeno e íleo, assim como houve aumento da largura das vilosidades no segmento de jejuno. A própolis quando adicionada à dieta de aves poedeiras melhora a integridade do trato gastrintestinal.


Palavras-chave


aditivos, duodeno, epitélio intestinal, vilosidades

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.