Eficiência de inseticidas em sugadores e influência aos inimigos naturais e pragas não alvo na cultura do algodão em Cassilândia-MS

André Júnio Andrade Peres, Luciana Cláudia Toscano Maruyama, Germison Vital Tomquelski, Wilson Itamar Maruyama

Resumo


O trabalho foi conduzido com objetivo de avaliar a eficiência de controle de dois inseticidas em sugadores e sua influência na flutuação populacional de inimigos naturais e de pragas não alvo em duas cultivares de algodão. O delineamento foi em blocos ao acaso em esquema fatorial. O primeiro fator foram duas cultivares com níveis de controle de Aphis gossypi diferentes entre si: Fiber Max 993 – 40% de colônia e Fiber Max 966 – 10% de colônia; o segundo fator foram três manejos: sem aplicação de inseticida; aplicação de carbosulfan e aplicação de acetamiprid, totalizando seis tratamentos com quatro repetições. Foram realizadas duas aplicações, aos 89 e 117 dias após a emergência, para o controle de A. gossypi. Avaliou-se a porcentagem de eficiência e seletividade. Não houve interação entre cultivares e manejos, analisando os dados dos dois fatores independentemente. Não houve diferença no manejo entre as cultivares, pois ambas atingiram seus respectivos níveis de controle na mesma época. Para eficiência de controle também não houve diferença significativa entre os dois inseticidas, com ambos apresentando bons resultados; porém, não apresentaram seletividade aos inimigos naturais e proporcionou aumento na população de pragas não alvo. Assim, nota-se a importância de levar em consideração a presença de insetos benéficos no manejo de pragas.


Palavras-chave


Gossypium hirsutum, insetos benéficos, seletividade

Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.