O capim-buffel

Flávio Pinto Monção, Euclides Reuter de Oliveira, Rafael Henrique de Tonissi e Buschineli de Goes

Resumo


A produção animal por um longo período de tempo teve como sustentáculo da alimentação a vegetação nativa. Entretanto, no transcorrer das últimas cinco décadas tem-se observado um esforço para se produzir a alimentação do rebanho através dos cultivos de plantas forrageiras. Várias gramíneas têm sido avaliadas, ao longo dos anos, para a formação de pastagens, buscando-se, sobretudo, elevada produtividade e persistência. O capim-buffel é a gramínea que, atualmente, apresenta-se com maior destaque nas pastagens cultivadas das regiões secas. Originário da África, Índia e Indonésia foi introduzido na Austrália nos anos de 1870 a 1880, e a partir daí tem sido estudado e selecionado diversas variedades. Sabe-se que o valor nutritivo de uma planta forrageira é representado pela associação da composição bromatológica, da digestibilidade e do consumo voluntário da forrageira pelos animais em pastejo. Assim sendo, é de grande importância o conhecimento da produção de matéria seca (MS), do teor de proteína bruta (PB) e de fibra em detergente neutro (FDN), além de outros fatores. Objetiva-se com esta revisão reunir informações mais relevantes sobre o capim-buffel visando explanar dados científicos para facilitar a utilização deste material na intensificação da produção animal em sistemas pastoris para ruminantes.


Texto completo:

PDF


Revista Agrarian
ISSN da versão impressa: ISSN 1984-252X (Cancelada)
ISSN da versão online: ISSN 1984-2538

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.