CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO: LINGUÍSTICA

Temática: Práticas linguísticas e (des)colonialidades

O fim do colonialismo político imposto por países europeus a diversas regiões do planeta não significou o término das relações sociais desiguais geradas por meio de binômios como europeu e não europeu (SANTOS; MENESES, 2010; GROSFOGUEL, 2012; STRECK; ADAMS, 2012; 2014), mantendo-se, na contemporaneidade, sob a forma de colonialidades. De acordo com Grosfoguel (2012), a colonialidade inclui não apenas as epistemologias, mas também a sexualidade, as relações de gênero, a política, a economia e as hierarquias etnorraciais, todas articuladas com a matriz de poder colonial que privilegia determinados posicionamentos binários e excludentes. Em tempos de visível instabilidade (BAUMAN, 2017), o objetivo deste número temático é reunir pesquisas que analisam a relação entre práticas linguísticas e (des)colonialidades, de modo a compreender como as práticas linguísticas ainda constroem as colonialidades que produzem classificações dissimétricas do mundo e da vida social, a exemplo de científico/não científico, verdadeiro/falso e certo/errado, bem como buscar alternativas, sem os purismos ou fundamentalismos característicos da colonialidade, para a construção de descolonialidades na  compreensão desse mundo e dessa vida social. Esperam-se, portanto, artigos resultantes de pesquisas que busquem examinar o embate, edificado por meio das práticas linguísticas, entre a colonialidade e a descolonialidade na construção de sentidos sobre ser/estar na contemporaneidade.

𝐄𝐝𝐢𝐭𝐨𝐫𝐞𝐬: Thayse Figueira Guimarães (UFGD) e Fernando Zolin Vesz (UFMT)

-------------------------------
𝑷𝒓𝒂𝒛𝒐𝒔 𝒑𝒂𝒓𝒂 𝒔𝒖𝒃𝒎𝒊𝒔𝒔ã𝒐: 30 de maio de 2019