A maior e melhor festa de Pato Bragado

Márcia Bortoli Uliana

Resumo


Presente em cartões postais, calendários, convites, sites, folders, jornais, dentre outros, a Festa Nacional do Cupim Assado, será o principal elemento de análise deste artigo. Viso problematizar e, desvendar alguns dos inúmeros sentidos que a envolvem, concebendo-a em sua dinamicidade e, enquanto local de sociabilidade, conflitos e tensões imbricados aos sujeitos que a constroem.

Palavras-chave


Festa Nacional do Cupim Assado; Pato Bragado; Folha Bragadense

Texto completo:

PDF

Referências


CANCLINI, Néstor Garcia. O porvir do passado. In: Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4. ed. São Paulo: USP, 2006.

FLORES, Maria B. R. Oktoberfest: turismo, festa e cultura na estação do chopp. Florianópolis: Obra Jurídica, 1997.

OZOUF, Mona. A festa. sob a Revolução Francesa. In: LE GOFF, Jacques & NORA, Pierre. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995. p. 216-232.

SCHREINER, Davi Félix. Cotidiano, trabalho e poder: a formação da cultura do trabalho no Extremo Oeste do Paraná. 2. ed. Toledo: Editora Toledo, 1997.

SCHWENGBER, Isabela de Fátima. Representações do MST na imprensa de Mato Grosso do Sul (1995 a 2000). 2005. 176f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, Dourados.

SOUZA, Laura de Mello e. O falso fausto. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 2. ed. Rio de Janeiro: GRAAL, 1986.




Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.