Povos indígenas fronteiriços da Venezuela: aspectos da segurança e o desenvolvimento de integração regional

Jenny Gonzáles Muñoz

Resumo


Este artigo tem como objetivo geral analisar os fatores de risco e da força dos povos indígenas na fronteira da Venezuela, em relação à vulnerabilidade dessas áreas e seu impacto sobre a segurança da nação, este estudo concluído em 2016, leva em conta a diversidade étnica, o multiculturalismo e a convivência cívica na horizontalidade, onde as culturas de conhecimento e existência do "outro" desempenha um papel significativo em áreas de vida, especialmente quando se fala de "desenvolvimento" e suas implicações sociais subseqüentes. No século XX e XXI a situação dos povos indígenas que vivem em áreas de fronteira da Venezuela (Colômbia, Brasil, Guiana) com fatores como a coexistência com forças armadas nacionais e estrangeiras, e outros setores não indígenas, combinado com a força alinhando a sua presença no assentamento da fronteira e do Desenvolvimento Integral da Nação. Metodologicamente, uma abordagem transdisciplinar está, portanto, ligada cultural, social e militarmente, com base em uma perspectiva holística da abordagem da legislação.

Texto completo:

PDF (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.30612/frh.v19i33.6765

Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.