Anedotas, fragmentos, trechos, blogs: informações no século XVIII

Robert Darnton

Resumo


Ao ler a obra de Daniel Roche, sente-se a presença de um enorme conhecimento, mas também - e este é um aspecto de seus escritos que guarda relação com as de Marc Bloch e Lucien Febvre – percebe-se a advertência contra o perigo que assombra qualquer investigação histórica: o anacronismo. Para nós, Históriadores, o anacronismo pode ser considerado como o pecado original. Inconscientemente, tendemos a incorrer num erro fundamental, que é assumir que nossos ancestrais habitavam um mundo mental que se assemelha ao nosso. Eis a razão de, em estudos da sociedade do Antigo Regime, todos os caminhos parecerem levar à Revolução. Daniel Roche soube
evitar essa armadilha porque ele não se apegou aos lugares comuns da história sociocultural. Em vez de ficar em Paris, ele descobriu a “república das letras” nas academias provinciais e, sem negar a importância óbvia dos grandes filósofos, nos apresentou o Iluminismo tal como vivido por um plebeu, o vidraceiro Jacques-Louis Ménétra. A obra inteira de Daniel Roche reflete o cuidado de respeitar o passado naquilo que constitui a sua originalidade, em vez de reduzi-lo a uma perspectiva delimitada pelas preocupações do presente.

Texto completo:

PDF


Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.