Movimentos de mulheres: (re)construindo subjetividades femininas em Teresina - Piauí (1980)

Claudia Cristina da Silva Fontineles, Jayra Barros Medeiros

Resumo


O presente artigo analisa o movimento de mulheres na década de 1980 e suas ressonâncias nas subjetividades femininas, discutindo as permanências e mudanças promovidas na cotidianidade, na produção de identidades e nas relações de sociabilidades do gênero em Teresina. Para tanto, levou-se em consideração que homens e mulheres se constituem enquanto construção social e não como algo natural e imutável, pois o gênero é um elemento importante na constituição da política e das relações de poder. Essas relações são entendidas aqui nas suas variadas formas de polaridade, ou seja, o poder não é apenas bipolar, a sociedade nos apresenta múltiplas formas do ser de mulheres e de homens. Os indivíduos possuem múltiplas formas de poder, como as de homens sobre homens, homens com mais poder sobre os outros, mulheres sobre mulheres e homens sobre mulheres. A pesquisa analisou os encaminhamentos promovidos pelos grupos femininos no cenário teresinense e as interfaces dos movimentos de mulheres com questões de ordem política e comportamental da sociedade da época. Como metodologia de pesquisa foram utilizadas consultas em documentos oficiais, em fontes hemerográficas e em fontes orais, que foram analisadas sob a perspectiva teórica de autores como Michele Perrot, Joan Scott e Rachel Sohiet.

Palavras-chave


História. Gênero. Teresina

Texto completo:

PDF


Fronteiras: Revista de História - PPGH/FCH/UFGD
 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil.